5 eventos ao vivo

China ameaça EUA e Reino Unido por ações a favor de Hong Kong

Falas ocorrem após EUA aprovarem sanções e GB liberar vistos

2 jul 2020
11h26
atualizado às 11h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O governo chinês aumentou o tom nesta quinta-feira (02) e ameaçou retaliar os Estados Unidos e o Reino Unido por conta de medidas adotadas contra Pequim ainda no âmbito da aprovação e aplicação da lei de segurança nacional de Hong Kong.

Segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, a China "deplora e se opõe com força" à lei aprovada pela Câmara dos Representantes dos EUA, que prevê a autorização para Washington aplicar sanções contra políticos e empresários chineses que tenham alguma atuação na crise de Hong Kong.

Uma outra legislação similar havia sido aprovada pelo Senado recentemente, mas essa da Câmara é um pouco diferente e precisará ser ratificada pelos senadores antes de ir para a sanção de Donald Trump.

"Pedimos aos EUA que entendam a realidade da situação, parando com interferências nas relações com Hong Kong e com as leis negativas. Poderemos tomar fortes contramedidas", ressaltou Lijian.

Além dos norte-americanos, a embaixada da China em Londres também alertou que Pequim tomará "medidas adequadas" se o Reino Unido continuar com o plano para facilitar a obtenção do visto de trabalho - e a consequente cidadania britânica - para cerca de 2,5 milhões de cidadãos de Hong Kong.

Nesta quarta-feira (1º), o premier Boris Johnson confirmou que vai dar andamento à medida em discurso do Parlamento. A mudança, considerada a maior alteração da história na concessão de vistos, afeta o status de quem tem o passaporte "British National Overseas". O documento tem validade de seis meses - que será prorrogada para um ano. Com isso, quem estiver por todo esse período no país poderá ingressar na fila pela cidadania.

A medida deve beneficiar, a princípio, os 350 mil cidadãos de Hong Kong que tem o passaporte, mas pode atingir até 2,5 milhões de moradores do território chinês.

A reação dos países ocidentais vem pela ratificação da lei de segurança nacional, que havia sido aprovada pelos chineses durante o Congresso do Povo. Entre os principais pontos polêmicos, estão as questões de "traição, secessão, sedição e subversão" dos moradores, que podem ser punidas até com prisão perpétua, e a instalação de agências governamentais de Pequim no território que não se submetem às autoridades locais.

Veja também:

As irmãs Khachaturyan: o assassinato que divide a Rússia
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade