PUBLICIDADE

Centro-direita na Itália cria programa de governo europeísta

Nos 15 pontos, ainda há referência à fala do premiê Mario Draghi

4 ago 2022 - 13h47
(atualizado às 14h06)
Ver comentários
Publicidade

A chamada "coalizão de centro-direita", formada pelos partidos ultranacionalistas Irmãos da Itália (FdI) e Liga e pelo conservador Força Itália, formou um plano de governo europeísta, em caso de vitória nas eleições de setembro, e que usa uma das principais falas do premiê Mario Draghi como primeiro tópico.

Centro-direita deve apresentar documento final em 14 de agosto
Centro-direita deve apresentar documento final em 14 de agosto
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O documento, que a ANSA teve acesso em primeira mão, se chama "A Itália, amanhã. Programa-quadro para um governo de centro-direita", tem 15 capítulos e ainda precisa ser aprovado pelos correligionários das três siglas. A apresentação da versão final deve ocorrer em 14 de agosto.

No rascunho, o primeiro capítulo se chama "Itália, totalmente parte da Europa, da Otan e do Ocidente. Mais Itália na Europa, mais Europa no mundo" , lembrando o discurso de posse Draghi, em que ele afirma que "sem a Itália, não há Europa, mas fora da Europa, há menos Itália".

O texto ainda mostra uma posição europeísta que a líder das pesquisas, Giorgia Meloni, do FdI, vem tentando acenar cada vez mais, de que vai manter a política externa de Draghi e não vai haver uma deriva "pró-Rússia". Além disso, Matteo Salvini, chefe da Liga, e Silvio Berlusconi, do FI, foram acusados de tomarem atitudes em prol de Moscou durante a guerra na Ucrânia - apesar de terem condenado publicamente a invasão.

Já o segundo ponto do rascunho foca na utilização eficiente dos recursos europeus e o terceiro nas reformas institucionais e estruturais internas na Itália. Entre os principais destaques, estão uma mudança de regime para a eleição direta do presidente da República, que hoje é indicado pelo Parlamento, e a plena atuação da lei sobre federação fiscal e Roma capital.

O capítulo seguinte é dedicado ao "imposto justo", com uma extensão da chamada "flat tax", a redução das alíquotas de imposto de renda, para participações do IVA (imposto sobre valor agregado) de até 100 mil euros de faturamento com perspectiva de uma nova ampliação para famílias e empresas.

Entre os capítulos seis e 13, há explanações sobre apoio às famílias e à natalidade, assuntos sobre segurança e combate à imigração ilegal, proteção da saúde, defesa do trabalho e da economia real, o estado social e o apoio aos mais vulneráveis.

Também aborda a defesa do "Made in Italy", cultura, turismo bem como a autossuficiência energética e sobre o meio ambiente - os dois últimos considerados como "prioridades".

O penúltimo capítulo é dedicado inteiramente às escolas, universidades e pesquisa científica e o último é voltado para os jovens, o esporte e "questões sociais".

O partido de extrema-direita FdI aparece como líder nas pesquisas de intenção de votos para 25 de setembro com um percentual entre 22,8% e 25%. A sigla está tecnicamente empatada com o centro-esquerda Partido Democrático (PD), que tem entre 22,1% e 23,1%. A terceira colocação fica com a Liga, com percentuais que variam entre 12,4% e 15,4%. Na sequência, aparecem o Movimento 5 Estrelas (M5S), com 10,1% a 11,9%, e o FI, com 7,1% a 10,6%.

Se os números se confirmarem, a coalizão de centro-direita teria a quantidade suficiente para assumir o governo italiano com maioria parlamentar. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade