PUBLICIDADE

Biden declara desastre de incêndios florestais na Califórnia antes de visita

13 set 2021 10h29
ver comentários
Publicidade

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, aprovou uma declaração de desastre na Califórnia e viajará a Sacramento nesta segunda-feira para ver os danos de incêndios florestais recentes, informou a Casa Branca no domingo.

Presidente dos EUA, Joe Biden, na Casa Branca
09/09/2021 REUTERS/Kevin Lamarque
Presidente dos EUA, Joe Biden, na Casa Branca 09/09/2021 REUTERS/Kevin Lamarque
Foto: Reuters

Mais de 6.800 incêndios florestais grandes e pequenos consomem cerca de 689 mil hectares só dentro da Califórnia nesta temporada, sobrecarregando perigosamente as forças dos corpos de bombeiros e os equipamentos disponíveis.

As chamas são atiçadas pelas condições de calor e secura extremas, que especialistas dizem ser sintomáticas da mudança climática durante uma temporada de incêndios de verão que promete ser uma das mais arrasadoras já registradas.

"O presidente Joseph R. Biden, Jr. declarou que existe um grande desastre no Estado da Califórnia e ordenou assistência federal para suplementar os esforços de recuperação estaduais, tribais e municipais nas áreas afetadas pelo Incêndio Caldor a partir de 14 de setembro de 2021 e adiante", disse a Casa Branca na noite de domingo.

Na semana passada, Biden disse que os incêndios florestais, os furacões e as inundações estão atingindo todas as partes do país e que mais de 100 milhões de norte-americanos foram afetados só neste verão ao pressionar por investimentos para reforçar a infraestrutura e combater o aquecimento global.

Ele fez do enfrentamento da mudança climática um dos pilares de sua campanha presidencial em 2020 e uma das maiores prioridades de seu governo, mas alguns de seus objetivos dependem da aprovação do Congresso a uma legislação de vários trilhões de dólares em infraestrutura e outras questões prementes.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade