2 eventos ao vivo

Bachelet, da ONU, critica repressão na Venezuela; diz que sanções podem agravar crise

20 mar 2019
16h12
  • separator
  • 0
  • comentários

As forças de segurança da Venezuela, apoiadas por milícias pró-governo, reprimiram protestos pacíficos com uso de força excessiva, assassinatos e tortura, disse a chefe de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Michelle Bachelet, nesta quarta-feira.

Forças de segurança da Venezuela durante confronto com manifestantes de oposição ao governo Maduro em Caracas
23/01/2019
REUTERS/Carlos Eduardo Ramirez
Forças de segurança da Venezuela durante confronto com manifestantes de oposição ao governo Maduro em Caracas 23/01/2019 REUTERS/Carlos Eduardo Ramirez
Foto: Reuters

A Venezuela mergulhou em uma crise política em janeiro, quando Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional controlada pela oposição, invocou a Constituição para declarar-se presidente interino do país, argumentando que a reeleição do presidente Nicolás Maduro em 2018 foi ilegítima.

Sem entrar em detalhes, Bachelet disse ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que tem informações de que a Força de Ações Especiais da Polícia Nacional (Faes) executou 37 pessoas em janeiro em Caracas durante buscas residenciais ilegais em áreas pobres que apoiam a oposição.

"Meu escritório documentou numerosas violações de direitos humanos e abusos de forças de segurança e grupos armados pró-governo, incluindo o uso de força excessiva, assassinatos, detenções arbitrárias, tortura e maus tratos na detenção, e ameaças e intimidação", afirmou.

Maduro, líder socialista que diz ser vítima de uma tentativa de golpe liderada pelos Estados Unidos, mantém o apoio das Forças Armadas e o controle de instituições estatais.

Na terça-feira, durante visita do presidente Jair Bolsonaro a Washington, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que sua gestão guarda na manga o que chamou de "as mais duras das sanções" para tentar cortar as fontes de renda de Maduro.

Em janeiro, Trump impôs sanções à estatal petrolífera PDVSA, a medida econômica mais severa contra Maduro e a Venezuela até o momento. Os EUA estão entre os países que reconheceram Guaidó como chefe de Estado legítimo.

Mas Bachelet, que foi presidente do Chile, disse que as sanções norte-americanas mais recentes sobre transferências financeiras ligadas à venda de petróleo venezuelano nos EUA "podem contribuir para agravar a crise econômica".

O embaixador venezuelano Jorge Valero disse que a verdadeira situação do país foi "distorcida pela campanha midiática internacional infundada".

Protestos pacíficos foram permitidos, mas não atos de vandalismo e criminalidade que estavam sendo "promovidos por uma porção violenta da oposição, atiçada por financiamento estrangeiro", disse.

Bachelet disse que as autoridades venezuelanas não souberam reconhecer a extensão e a gravidade de uma crise de falta de remédios e alimentos que levou mais de 3 milhões de pessoas a emigrarem desde 2015.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade