PUBLICIDADE

AstraZeneca espera chegar a acordo em disputa legal com a UE nas próximas semanas, diz executivo

29 jul 2021 11h17
ver comentários
Publicidade

A AstraZeneca espera chegar a um acordo nas próximas semanas para encerrar uma ação legal da União Europeia relacionada às entregas de vacina contra Covid-19, afirmou um executivo da companhia nesta quinta-feira, o que pode encerrar a disputa que tem perseguido a farmacêutica e Bruxelas este ano.

Logo da AstraZeneca em prédio da empresa em Wilmington, nos Estados Unidos
22/03/2021 REUTERS/Rachel Wisniewski
Logo da AstraZeneca em prédio da empresa em Wilmington, nos Estados Unidos 22/03/2021 REUTERS/Rachel Wisniewski
Foto: Reuters

A empresa está em discussões com a UE, segundo Ruud Dobber, vice-presidente do segmento biofarmacêutico da empresa, em entrevista.

"Temos esperança que nas próximas semanas chegaremos a um acordo", afirmou, sem dar mais detalhes.

Um porta-voz da Comissão da UE não estava imediatamente disponível para comentários.

No começo deste ano, Bruxelas entrou com duas ações legais contra a AstraZeneca relacionadas à entrega de vacinas abaixo do esperado ao bloco com 27 nações neste ano.

A farmacêutica havia se comprometido a fazer o melhor para entregar 300 milhões de doses até o fim de junho, mas atrasos na produção a levaram a revisar o total para 100 milhões de vacinas.

Mês passado, um tribunal da UE decidiu que a AstraZeneca não havia cumprido sua obrigação de fazer o seu máximo para entregar as doses e ordenou que enviasse 80 milhões de doses até o fim de setembro, o que a empresa até superou ao fim de junho. Isso dispensou as outras reivindicações.

Um segundo processo busca alívio provisório, documentos e danos. Uma audiência está marcada para setembro.

Bruxelas praticamente cortou laços com a AstraZeneca e optou por não comprar mais vacinas da empresa por enquanto.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade