8 eventos ao vivo

EUA exigem "anistia imediata" para americano condenado na Coreia do Norte

2 mai 2013
16h46
atualizado às 16h56
  • separator
  • 0
  • comentários

O governo dos Estados Unidos pediu nesta quinta-feira que as autoridades norte-coreanas concedam anistia e liberdade imediata ao guia turístico americano Kenneth Bae, condenado a 15 anos de trabalhos forçados por "atos hostis" não especificados.

"Pedimos que as autoridades da Coreia do Norte outorguem ao senhor Bae anistia e libertação imediatas", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Patrick Ventrell, em sua entrevista coletiva diária.

O porta-voz lembrou que Bae "já passou por um processo legal" e os Estados Unidos pedem sua libertação com base em suas "preocupações" sobre a "falta de transparência e devido ao processo do sistema judiciário norte-coreano".

O governo americano, no entanto, evitou considerar que Bae é inocente, dado que "desconhece dos fatos do caso". "Não houve transparência no caso", disse Ventrell.

O governo americano só teve acesso a "algumas informações limitadas" através da embaixada suíça, seu poder protetor na Coreia do Norte.

No entanto, o pessoal dessa embaixada não acompanhou o julgamento em que a Corte Suprema norte-coreana emitiu a condenação, e a última vez que tiveram acesso ao preso foi há uma semana, em 26 de abril.

Bae, identificado por seu nome coreano Pae Jun-ho, foi condenado por "cometer atos hostis após entrar como turista" ao país em novembro, segundo informou hoje a agência estatal do regime KCNA.

A Coreia do Norte deteve desde 2009 outros cinco americanos que finalmente foram libertados através de contatos com Washington, o que levou muitos especialistas a cogitarem motivos políticos na detenção e condenação de Bae, cidadão de 44 anos de origem coreana com passaporte dos EUA.

Ventrell evitou especular a respeito desses possíveis motivos políticos devido à "falta de informação".

EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade