0

Após funeral, corpo de embaixador italiano irá para sua cidade natal

24 fev 2021
20h05
atualizado às 20h26
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Depois do funeral com honras de Estado em Roma, o embaixador Luca Attanasio, morto em um ataque na República Democrática do Congo, será transferido para Limbiate, sua cidade natal na região da Lombardia.

Corpos de Attanasio e Iacovacci chegando no aeroporto de Ciampino
Corpos de Attanasio e Iacovacci chegando no aeroporto de Ciampino
Foto: ANSA/ALESSANDRO DI MEO / Ansa - Brasil

A cerimônia fúnebre do corpo do diplomata e do policial militar Vittorio Iacovacci terá início na manhã nesta quinta-feira (25) e, logo depois, seu caixão será levado para o norte do país.

A cidade de Limbiate decretou luto na sexta (26), data em que o corpo será velado na casa funerária local. Além disso, toda a comunidade se reunirá em vigília na paróquia de San Giorgio.

Já no sábado (27), as homenagens vão ser realizadas no centro desportivo da região e celebradas pelo arcebispo de Milão, Mario Delpini.

O anúncio foi feito pelo prefeito Antonio Domenico Romeo, logo após ele deixar o município rumo a Roma para participar dos eventos na capital italiana.

"Logo saberemos com mais precisão quando o corpo será transferido para Limbiate. Toda a cidade sente profundamente a dor da tragédia que levou à morte deste querido concidadão", afirmou.

Attanasio, embaixador na República Democrática do Congo desde 2017, e Iacovacci viajavam em um comboio do Programa Mundial de Alimentos da ONU que visitaria um projeto de distribuição de comida em escolas.

Pouco depois de deixar a cidade de Goma, no leste do país, a comitiva foi atacada por seis homens armados em uma estrada dentro do Parque Nacional Virunga, santuário natural do Congo e palco da atuação de milícias que disputam a riqueza mineral da região.

Segundo a autópsia realizada em um hospital de Roma, no âmbito de uma investigação aberta pelo Ministério Público que apura a hipótese de sequestro com finalidade de terrorismo, os italianos não foram executados, mas faleceram durante uma troca de tiros.   

Veja também:

'A melhor vacina é a disponível': Por que não se pode comparar os imunizantes contra covid-19
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade