0

Correa faz advertência às Farc após morte de militar na fronteira

10 ago 2013
17h13
atualizado às 17h28
  • separator
  • comentários

O Equador usará toda a força contra as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) caso esta guerrilha volte a atacar militares equatorianos, advertiu este sábado o presidente Rafael Correa, após a morte de um soldado na fronteira.

"Responderemos com toda a força a qualquer grupo irregular que ouse penetrar em solo equatoriano", afirmou Correa, energicamente, durante seu informe semanal de trabalhos, convocando os soldados equatorianos a "defender sua vida por todos os meios".

O presidente questionou as Farc pela suposta responsabilidade no enfrentamento de quinta-feira, que deixou seis mortos - um tenente equatoriano e cinco guerrilheiros -, além de um militar ferido.

O fato ocorreu em uma região próxima ao departamento (estado) colombiano de Putumayo, onde também operam grupos de extrema direita e contrabandistas de drogas e armas.

Segundo Quito, o combate aconteceu depois que soldados equatorianos cercaram um grupo armado que entrou em seu território, exigindo sua rendição. No entanto, os invasores abriram fogo contra os militares e mataram, na fuga, um tenente e feriram um soldado.

Em resposta, as tropas mataram cinco integrantes da guerrilha e capturaram dois suspeitos.

"Se são as Farc que cometeram este crime, tomara que entendam que sua luta perdeu o sentido. Dizem que lutam pela justiça. Acabam de matar um jovem de 28 anos, soldado equatoriano que deixa órfã uma menina de 3 anos. De que justiça social estão falando?", questionou Correa.

Após o confronto, o governo equatoriano exigiu que a Colômbia reforce o controle militar na fronteira de quase 700 km.

Na Colômbia, o presidente Juan Manuel Santos prometeu a Correa apoio militar na fronteira.

"Tenham absoluta certeza que terão todo o apoio do nosso Exército, das nossas Forças Armadas, para que nessa fronteira este tipo de situações não ocorram", disse Santos em Cartagena (norte da Colômbia) durante um ato público.

"Nisso o presidente (Rafael) Correa e todo o governo equatoriano poderão contar com os colombianos e com o governo colombiano, sem restrições", acrescentou Santos.

Em Havana, a delegação de paz da guerrilha comunista das Farc informou este sábado não ter recebido ainda informações sobre os combatentes que operam no sul da Colômbia sobre o combate na fronteira com o Equador.

"Nós ainda não temos um pronunciamento do Bloco Sul (das Farc), que é o que opera na parte de (os departamentos de) Nariño, Putumayo, toda a região sul da Colômbia", declarou à imprensa Jesús Santrich, integrante da delegação que negocia a paz com o governo colombiano.

"Cabe uma reflexão (sobre este fato) no sentido de que infelizmente o conflito colombiano, em determinados momentos, tende a transbordar, a gerar dificuldades não só aos países fronteiriços irmãos, mas uma situação de instabilidade em todo o continente", acrescentou Santrich, ao final de um ciclo de conversações em Cuba.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade