PUBLICIDADE

Alemanha vai às urnas para eleger o sucessor de Angela Merkel

Disputa acirradíssima entre partidos deixa cenário indefinido

26 set 2021 09h32
ver comentários
Publicidade

Cerca de 60 milhões de alemães estão aptos para ir às urnas neste domingo (26) para definir o futuro político do país e quem será o sucessor da chanceler Angela Merkel, que deixará o poder depois de 16 anos.
    As pesquisas de opinião indicam um cenário bastante complexo com os dois maiores partidos, o Social-Democrata (SPD) e a União Democrata-Cristã (CDU), praticamente empatados, com uma leve vantagem para os primeiros. Os Verdes, por sua vez, aparecem com cerca de 15% dos votos e o Partido Liberal tem cerca de 12%.
    Isso pode levar a Alemanha a ter uma coalizão de governo com três partidos, algo que não ocorre desde o fim dos anos 1950.
    Armin Laschet, o indicado pelo partido de Merkel, já votou neste domingo, mas voltou a cometer uma gafe: ao levantar a cédula, ficaram visíveis os votos para a CDU - o que pode provocar uma invalidação já que as escolhas são secretas.
    Já Olaf Scholz, do SPD, votou também e pediu que os alemães lhe dessem a chance "de ser o próximo chanceler".
    A votação segue até às 18h (13h no horário de Brasília) e um resultado de boca de urna deve ser divulgado na sequência. No entanto, a formação do novo governo pode se arrastar até o fim do ano dependendo de qual for o resultado das urnas.
    Por unanimidade, o Aeltestenrat, um conselho de representa os parlamentares, definiu que a posse do novo Parlamento deve ocorrer no dia 26 de outubro.
    O Bundestag atual tem 709 parlamentares e o próximo pode ter uma oscilação entre 672 a 912 membros por conta do mecanismo de compensação previsto pelo complexo sistema eleitoral, que é baseado em dois votos: um para o partido e outro para mandatos diretos.
    "Cada voto conta, o seu voto conta. Por isso, vos peço: votem! Quem vota participa, quem não vota deixa os outros decidirem", disse o presidente da República, Frank-Walter Steinmeier, ao chegar à sua sessão eleitoral em Berlim. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade