1 evento ao vivo

A criança que andou 23 km em busca de ajuda após ataque que matou 9 de sua família no México

O garoto escondeu seus irmãos e fugiu para procurar ajuda; ele foi uma das 8 crianças que sobreviveu ao ataque.

6 nov 2019
16h53
atualizado às 17h11
  • separator
  • 0
  • comentários

Um menino de 13 anos que sobreviveu a um ataque a um comboio de mórmons no México que deixou 9 mortos escondeu seus seis irmãos em arbustos e caminhou 23 quilômetros para buscar ajuda, segundo sua família.

Parentes das vítimas voltaram ao local onde a família foi morta
Parentes das vítimas voltaram ao local onde a família foi morta
Foto: Reuters / BBC News Brasil

O ataque aconteceu na segunda (4/11). Três mulheres e seis crianças foram assassinados por homens armados quando viajavam de carro no Estado de Sonora, no norte do país.

As vítimas tinham dupla cidadania americana e mexicana e pertenciam a uma comunidade chamada Colônia LeBarón, parte de um ramo que se distanciou da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias após a proibição da poligamia e se estabeleceu no México.

Autoridades e familiares suspeitam que os ataques estejam ligados a cartéis de drogas, mas ainda não está claro se foram deliberados ou se as vítimas foram mortas por equívoco. O Ministro da Segurança do México disse que o grupo pode ter sido morto por engano. Mas membros da família disseram que já sofreram ameaças no passado por denunciar a violência praticada por cartéis.

Oito crianças sobreviveram ao ataque. Cinco delas ficaram feridas, de acordo com a imprensa americana.

Como as crianças sobreviveram?

Três mulheres e seus 14 fihos saíram em um comboio de três carros da cidade de Bavispe, no Estado de Sonora, em direção ao Estado de Chihuahua, ambos no México. Um parente disse à CNN que elas viajam juntas por questões de segurança.

Christina Langford Johnson foi morta, mas sua filha Faith sobreviveu
Christina Langford Johnson foi morta, mas sua filha Faith sobreviveu
Foto: Reuters / BBC News Brasil

Quando homens armados atacaram o grupo, a mãe e dois irmãos de Devin Langford, de 13 anos, foram mortos. Ele, então, escondeu seus outros seis irmãos em arbustos e os cobriu com galhos. Depois, caminhou por seis horas até a sede da comunidade na cidade de La Mora, segundo relato Kendra Le Miller, uma parente da família, em seu Facebook.

Como Devin não voltou, uma de suas irmãs, McKenzie, de 9 anos, deixou os outros irmãos e caminhou por quatro horas no escuro. Ela depois foi encontrada pela equipe de resgate.

Um bebê de sete meses, Faith Lanford, também sobreviveu porque sua mãe, Christina Langford Johnson, colocou a cadeirinha de bebê onde ela estava no chão do carro. Christina saiu do carro com as mãos na cabeça pedindo para os assassinos pararem de atirar, mas foi morta, segundo testemunhas.

Depois de Devin chegar a La Mora, membros da comunidade pegaram armas e tinham a intenção de ir até a cena do crime, mas decidiram esperar por reforços depois de perceber que eles estariam correndo o risco de morrer, já que houve tiroteios durante a noite toda na região, segundo Miller.

Eles acabaram encontrando a bebê Faith no carro onze horas depois.

Os sobreviventes foram levados de helicóptero militar para a cidade americana de Phoenix, no Estado do Arizona.

Cody, de 8 anos, foi baleado na mandíbula e na perna. Kylie, de 14 anos, levou um tiro no pé. Xander, de 4 anos, tomou um tiro nas costas e o bebê Brixton, de 9 meses, foi baleado no peito.

Quem morreu?

Cinco das vítimas morreram quando o carro em que elas estavam explodiu após receber muitos tiros. Morreram Maria Rhonita Miller, de 30 anos, seus filhos gêmeos, Titus e Tiana, de 8 meses, e as crianças Howard Jr., de 12 anos, e Krystal, de 10 anos.

Parentes das vítimas choram ao ver o carro que explodiu durante o ataque
Parentes das vítimas choram ao ver o carro que explodiu durante o ataque
Foto: Reuters / BBC News Brasil

A muitos quilômetros de distância, os dois outros carros foram atacados. Dawna Langford, de 43 anos, e dois de seus filhos, um de 2 anos e outro de 11, morreram.

Em uma postagem no Twitter, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que as vítimas era um "grupo maravilhoso de amigos e família" que foram "pegos no meio de uma briga de dois cartéis de drogas que estavam atirando um no outro".

Trump afirmou que "está pronto" para oferecer apoio para combater o problema da violência dos cartéis e para fazê-lo "rápido e efetivamente". O FBI teria oferecido ajuda para as autoridades mexicanas na investigação.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse que o país vai agir com "independência e soberania" para encontrar os criminosos por trás do ataque.

Crianças feridas foram transportadas em helicóptero militar para serem tratadas nos Estados Unidos
Crianças feridas foram transportadas em helicóptero militar para serem tratadas nos Estados Unidos
Foto: AFP / BBC News Brasil

Claudia Pavlovich Arellano, governadora do Estado de Sonora, descreveu os criminosos como "monstros". Julian LeBaron, primo de uma das mulheres, exigiu respostas. "Queremos saber exatamente quem está por trás disso, por que fizeram isso e de onde são", disse ele a uma rádio no México. "E as informações precisam ser verdadeiras. Quem atacaria mulheres e crianças!?"

O que é a Colônia LeBaron?

As vítimas eram integrantes de uma comunidade chamada LeBaron, que foi fundada por um grupo dissidente mórmon na primeira metade do século 20, após a Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, nos EUA, proibir a poligamia.

A Igreja Mórmon rejeitou a poligamia publicamente no fim do século 19, e depois disso grupos que queriam continuar com a prática se separaram.

A colônia LeBaron agora tem tanto mórmons quanto católicos que se assentaram no local. Os membros são conhecidos por enfrentarem gangues locais e denunciarem a violência dos cartéis de drogas. A colônia tem cerca de 3 mil membros. Alguns deles praticam poligamia.

Embora a mídia local diga que o comboio pode ter sido confundido por um de uma gangue rival, a comunidade já foi atacada por cartéis no passado.

Em 2009, Erick LeBaron foi sequestrado. A comunidade disse que não pagaria o resgate porque isso só encorajaria outros sequestros.

Erick acabou sendo libertado, mas meses depois seu irmão Benjamin foi espancado até morrer. O cunhado dele também foi morto.

Forças de segurança mexicanas foram colocadas de plantão na região
Forças de segurança mexicanas foram colocadas de plantão na região
Foto: EPA / BBC News Brasil

Em 2010, Julian LeBaron publicou um artigo no jornal Dallas Morning News convocando os mexicanos a enfrentar o crime organizado.

Julian também dissse a uma rádio no México, na terça, que sua família recebeu ameaças. "Nós relatamos as ameaças [à polícia] e essas são as consequências", disse ele.

No ano passado, a família também teve uma disputa com fazendeiros locais que acusaram os LeBarons de usar muita água para plantar nogueiras em suas terras, o que estaria deixando as outras fazendas sem água.

No passado, a comunidade chegou a pedir autorização para criar sua própria força de segurança.

Veja mais:

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade