PUBLICIDADE

Diretórios do MDB em 3 Estados resistem a exigências dos tucanos para apoiar Simone Tebet

Líderes emedebistas falam em acordos já firmados em PE e MS e só admitem aliança no Rio Grande do Sul

26 mai 2022 - 19h19
(atualizado às 21h51)
Ver comentários

BRASÍLIA e SÃO PAULO - A exigência do PSDB de apoio do MDB em disputas regionais para avalizar a senadora Simone Tebet (MS) como o nome da terceira via na disputa presidencial enfrenta resistência nos três Estados em que tucanos esperam adesão dos emedebistas. Líderes do MDB dizem que é inviável unir as legendas em Pernambuco, onde o MDB é coligado com o PSB, e em Mato Grosso do Sul - Estado de Simone. Uma negociação é admitida apenas no Rio Grande do Sul.

Em entrevista ao Estadão, o presidente do PSDB, Bruno Araújo, afirmou que a coligação com Simone - embora o ex-governador João Doria tenha desistido da pré-candidatura e aberto caminho para a união de tucanos, MDB e Cidadania em torno da senadora - depende de concessões. O presidente nacional do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), intensificou a articulação após as declarações de Araújo.

O deputado federal e presidente do MDB, Baleia Rossi, Simone Tebet e o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, durante lançamento da pré-candidatura da senadora Foto: Wilton Junior/Estadão

O anúncio da aliança estava previsto inicialmente para terça-feira passada. As diferenças regionais, entretanto, empurraram para quinta-feira da próxima semana uma reunião da executiva tucana para deliberar a questão. Uma ala do PSDB ainda aposta em candidatura própria.

O deputado federal Raul Henry, presidente do MDB pernambucano, disse que o partido não vai apoiar Raquel Lyra, pré-candidata a governadora pelo PSDB. "Não tem nenhuma possibilidade", afirmou. No Estado, o MDB estará com o deputado federal Danilo Cabral (PSB-PE) na sucessão do governador Paulo Câmara. Henry foi vice-governador durante o primeiro mandato de Câmara.

De acordo com o emedebista, Baleia Rossi está ciente da impossibilidade de aliança com os tucanos. "Nossa construção política foi feita toda com o conhecimento da direção nacional do partido. Não acho justo que essa condição seja imposta", afirmou. "Temos uma participação no governo do Estado e na prefeitura do Recife.".

Em Pernambuco, Estado de Araújo, os tucanos também avaliam que uma composição será difícil. Por outro lado, o PSDB insiste em ter apoio do MDB em Mato Grosso do Sul. A sigla administra o Estado desde 2015 e quer eleger o sucessor do atual governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Integrantes do comando do MDB dizem que os tucanos têm, no Estado, um palanque conturbado, uma vez que Eduardo Riedel já disse que está "fechado com Bolsonaro" e deve ter a deputada Tereza Cristina (Progressistas) como candidata ao Senado. Já Puccinelli, o pré-candidato emedebista, tem feito acenos ao PT. "Nenhuma possibilidade de recuo", disse Júnior Mochi, presidente estadual do MDB.

Monitor dos presidenciáveis

Nó no SUL

Outro nó a ser desatado é o Rio Grande do Sul, Estado que, ao lado de São Paulo, é a grande aposta do PSDB em 2022. O ex-governador Eduardo Leite é apontado como candidato natural da sigla, mas o MDB local não abre mão de lançar o deputado estadual Gabriel Souza.

Em entrevista ao jornal Zero Hora, o presidente do MDB gaúcho, Fábio Branco, reclamou das declarações de Araújo e afirmou que a candidatura de Souza será mantida. O coordenador de plano de governo de Simone é o ex-governador gaúcho Germano Rigotto (MDB).

Tucanos

Em conversas reservadas, integrantes da cúpula tucana dizem que Bruno Araújo sabe das dificuldades em Pernambuco e que aceitaria ceder no Estado, mas não no Rio Grande do Sul e em Mato Grosso do Sul.

Além dos Estados citados por Araújo, há conflitos entre as duas siglas também em outros diretórios. Na Paraíba, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB) deve enfrentar o senador Veneziano Vital do Rego (MDB). Em Goiás, o MDB apoia a reeleição de Ronaldo Caiado (União) e o PSDB deve lançar Marconi Perillo ou apoiar José Eliton (PSB).

Apesar dos impasses regionais, uma eventual aliança entre PSDB e MDB em torno da pré-candidatura de Simone à Presidência tem apoio majoritário das bancadas e executivas dos dois partidos.

Estadão
Publicidade
Publicidade