1 evento ao vivo

Joice tem liderança contestada após discussão nas redes

Deputada do PSL que negocia a reforma da Previdência no Congresso sofre pressão até de aliados para deixar o cargo

26 mar 2019
05h11
atualizado às 09h18
  • separator
  • 0
  • comentários

BRASÍLIA - Ataques da líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), a outros deputados pelo Twitter fizeram crescer a pressão para tirá-la do cargo. Para deputados ouvidos pelo Estado, as atitudes recentes da parlamentar a descredenciariam para continuar a negociar a reforma da Previdência e a comandar a articulação política na Casa.

Líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann
12/03/2019
REUTERS/Ueslei Marcelino
Líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann 12/03/2019 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Sem que tenha sido provocada, Joice criticou no fim de semana, por meio do microblog, dois colegas que apoiam a aprovação da reforma, o que incomodou parlamentares da base aliada do presidente Jair Bolsonaro. No primeiro caso, a deputada ironizou a troca do nome do PPS para Cidadania e foi rebatida pelo líder da legenda na Câmara, deputado Daniel Coelho (PE). Depois, bateu boca com o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), chamando-o de "oportunista" e "moleque".

Kim havia apontado uma suposta contradição do tratamento do PSL em relação ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele disse que falta coerência ao partido do presidente Jair Bolsonaro.

"A líder errou. Essa condução da discussão política via redes sociais tem de acabar. Ela e o PSL perdem a legitimidade para fazer a discussão agindo desta maneira. Uma líder não pode se dar ao luxo de atacar dois aliados que publicamente se declararam a favor da reforma", afirmou o deputado Darci de Matos (PSD-SC).

As críticas à liderança de Joice, porém, começaram dentro de sua própria legenda dela. Deputados do PSL ouvidos pelo Estado dizem não reconhecer na parlamentar a capacidade de conduzir o diálogo com a Câmara. No domingo, 24, um grupo a cobrou, via WhatsApp, mais detalhes de como deveriam atuar para defender propostas do governo, como a reforma da Previdência, e sobre a comunicação com o Palácio do Planalto. Joice, porém, se esquivou e jogou a responsabilidade ao líder na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). "Sou líder do governo e não sou líder do PSL. Os interesses individuais dos integrantes do partido são tratados com o líder do partido e não comigo", rebateu a deputada.

Segundo Delegado Waldir (PSL-GO), líder do partido na Câmara, os articuladores escolhidos por Bolsonaro estão falhando. "Os líderes estão sendo ineficientes na articulação. A construção (de apoio) está errada", afirmou o parlamentar.

Escolha. Joice foi escolhida para o cargo pelo próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e avalizada por Bolsonaro. A relação da deputada com outros líderes na Casa, porém, já estava estremecida há algumas semanas, desde que ela apresentou a coordenadores de bancadas regionais uma lista de cargos que o governo estava disposto a discutir, mas exigindo como contrapartida o apoio ao governo, por escrito.

Um dos alvos da parlamentar, Kataguiri atribui a o "insucesso" de Joice na articulação pela forma como ela trata os demais parlamentares. "Ela sabe que não está funcionando", afirmou. "Está na hora de o governo começar a negociar com os partidos e com as lideranças. Não há como ver esses tipos de ataques se repetindo", disse Celso Maldaner (PSD-SC).

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade