PUBLICIDADE

Forças ucranianas encerram missão de defesa da siderúrgica de Azovstal

16 mai 2022 20h26
ver comentários
Publicidade

Tropas entrincheiradas no último reduto ucraniano na cidade portuária sitiada de Mariupol começaram a se retirar nesta segunda-feira da siderúrgica de Azovstal, parecendo ceder o controle da antes próspera cidade ucraniana à Rússia após meses de bombardeios.

A vice-ministra da Defesa da Ucrânia, Anna Malyar, disse que 53 soldados feridos na siderúrgica foram levados para um hospital na cidade controlada pela Rússia de Novoazovsk, cerca de 32 quilômetros a leste.

Outras 211 pessoas foram levadas para a cidade de Olenivka, em uma área controlada por separatistas apoiados pela Rússia, segundo a vice-ministra. Todos os retirados estarão sujeitos a uma possível troca de prisioneiros com a Rússia, acrescentou.

O comando militar da Ucrânia disse que a missão de defender a siderúrgica pelos "heróis do nosso tempo" terminou, e prometeu resgatar militares ainda presos no local.

"A guarnição 'Mariupol' cumpriu sua missão de combate", disse o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia em comunicado. "O comando militar supremo ordenou aos comandantes das unidades estacionadas em Azovstal que salvassem a vida de seu pessoal."

A Reuters viu cinco ônibus transportando soldados de Azovstal chegarem a Novoazovsk na segunda-feira. Alguns estavam feridos e foram retirados dos ônibus em macas. Acredita-se que cerca de 600 soldados estavam dentro da siderúrgica.

"Esperamos ser capazes de salvar a vida de nossos homens", disse o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, em um discurso noturno. "Há feridos graves entre eles. Eles estão recebendo cuidados. A Ucrânia precisa de heróis ucranianos vivos."

Os militares da Ucrânia disseram que "ordenaram aos comandantes das unidades estacionadas em Azovstal que salvassem a vida do pessoal" e que os soldados lá cumpriram sua missão de combate.

Esforços para resgatar soldados que ainda se encontravam dentro do local estavam em andamento, acrescentaram os militares, sem especificar quantos permaneciam lá.

Tropas ucranianas dizem que resistiram em Azovstal por 82 dias, ganhando tempo para o resto da Ucrânia combater as forças russas e garantir as armas ocidentais necessárias para resistir ao ataque da Rússia.

Mas a retirada provavelmente marcou o fim da batalha mais longa e sangrenta da guerra da Ucrânia e uma derrota significativa para a Ucrânia. Mariupol está agora em ruínas após um cerco russo que, segundo a Ucrânia, matou dezenas de milhares de pessoas na cidade.

Desde que a Rússia lançou sua invasão em fevereiro, a devastação de Mariupol tornou-se um símbolo tanto da capacidade da Ucrânia de resistir à invasão russa quanto da disposição da Rússia de devastar as cidades ucranianas que resistem.

A retirada ocorreu horas depois que a Rússia disse que concordou em retirar soldados ucranianos feridos para um centro médico em Novoazovsk.

Os últimos defensores de Azovstal estavam resistindo por semanas em bunkers e túneis construídos no subsolo para suportar uma guerra nuclear. Civis foram retirados de dentro da unidade, uma das maiores instalações metalúrgicas da Europa, no início deste mês.

A esposa de um integrante do Regimento Azov descreveu as condições na siderúrgica na segunda-feira: "Eles estão no inferno. Eles recebem novos ferimentos todos os dias. Eles estão sem pernas ou braços, exaustos, sem remédios", disse Natalia Zaritskaya.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade