1 evento ao vivo

Após elogiar Maluf, Filipe Sabará, do Novo, pede desculpas

Após dizer que o ex-prefeito 'fez muita coisa', o candidato recebeu críticas de figuras do partido, como João Amoêdo

16 set 2020
14h54
atualizado às 17h38
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O candidato a prefeito de São Paulo pelo Novo, Filipe Sabará, se desculpou nesta quarta-feira, 16, após ter dito que Paulo Maluf foi o melhor prefeito que a capital paulista já teve. A fala havia provocado reações internas no partido, como do fundador do Novo, João Amoêdo, e do deputado estadual Heni Ozi Cukier, que se manifestaram contra a fala no Twitter.

Sabará tinha dado uma entrevista ao programa Pânico, na terça-feira, 15, quando falou sobre o ex-prefeito. "Maluf foi um bom prefeito. Teve suas questões aí de corrupção, foi condenado, mas fez muita coisa. Imagina São Paulo sem as obras do Maluf". Depois, emendou: "Tem o rouba mas faz, mas para a população, imagina São Paulo sem as realizações do Maluf".

Maluf foi condenado por lavagem de dinheiro em 2017 e cumpre pena em prisão domiciliar. Investigações do Ministério Público de São Paulo apontam que ele desviou ao menos US$ 160 milhões dos cofres municipais.

No Twitter, Amoêdo pediu "providências" ao diretório municipal do Novo em uma postagem com um vídeo com as falas de Sabará. O ex-candidato à Presidência escreveu que "a citação de um político corrupto como exemplo de gestão é inadmissível" e que "o 'rouba mas faz' fere frontalmente os valores e princípios do Novo".

Já Cukier afirmou que não haveria "nada" mais diferente de seu partido do que o ex-prefeito.

Nesta quarta, após essas manifestações, Sabará publicou um vídeo em suas redes sociais em que pede desculpas pela fala. "Não sou em hipótese alguma conivente com qualquer tipo de ato ilícito", disse. "O melhor prefeito de São Paulo será o que fizer muitas realizações aliadas ao total respeito ao dinheiro público."

Veja também:

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) defende representatividade mínima de 30% de mulheres na direção dos partidos
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade