0

EXCLUSIVO-Trump diz que China está "de volta ao mercado" por soja dos EUA

12 dez 2018
08h37
  • separator
  • comentários

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na terça-feira que a China está comprando uma "enorme quantidade" de soja norte-americana e que negociações comerciais com Pequim já estão sendo feitas por telefone, acrescentando que são aguardadas mais reuniões entre autoridades dos dois países.

Presidente dos EUA, Donald Trump, durante entrevista à Reuters em Washington 11/12/2018 REUTERS/Jonathan Ernst
Presidente dos EUA, Donald Trump, durante entrevista à Reuters em Washington 11/12/2018 REUTERS/Jonathan Ernst
Foto: Reuters

Trump disse à Reuters em uma entrevista que o governo chinês está "de volta ao mercado" para comprar soja dos EUA depois de uma trégua em 1º de dezembro na guerra comercial envolvendo Washington e Pequim.

Operadores em Chicago, no entanto, disseram não ter visto nenhuma evidência de uma retomada de tais compras após a imposição de uma tarifa de 25 por cento sobre a soja dos EUA em julho.

"Acabei de ouvir hoje que eles estão comprando enormes quantidades de soja. Eles estão começando, apenas começando agora", afirmou Trump na entrevista.

Trump também disse acreditar que a China reduzirá em breve as tarifas dos automóveis norte-americanos para 15 por cento, em relação aos atuais 40 por cento.

"Eu acho que eles estão querendo fazer isso imediatamente, muito rapidamente", disse.

Um funcionário do governo Trump disse à Reuters que o plano da China para cortar as tarifas de automóveis foi esboçado em um telefonema entre o vice-premiê chinês, Liu He, o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin.

VENDAS DA SOJA ATENDIDAS

Os dados do governo dos EUA não mostram nenhuma venda de soja para a China desde julho, quando Pequim impôs tarifas sobre o fornecimento de oleaginosas dos EUA em retaliação aos impostos dos EUA sobre produtos chineses.

Traders vêm observando atentamente por sinais de confirmação de uma retomada das compras chinesas de soja dos EUA, particularmente depois que Trump tuitou na manhã de terça-feira que "conversas muito produtivas" estavam acontecendo com a China. "Preste atenção em alguns anúncios importantes!", acrescentou.

Os futuros de soja na Bolsa de Chicago avançaram na terça-feira, com a esperança de que novos acordos fossem assinados em breve, mas não havia sinais de aumento de atividade nos mercados à vista, disseram operadores.

As normas do Departamento de Agricultura dos EUA exigem que os exportadores relatem imediatamente as vendas de 100 mil toneladas ou mais de uma commodity em um único dia.

No ano passado, a China comprou cerca de 60 por cento das exportações de soja dos EUA em transações avaliadas em mais de 12 bilhões de dólares. Com as exportações perdidas, os preços da soja caíram para o menor patamar em uma década, sobrecarregando os fazendeiros norte-americanos, um importante eleitorado dos Trump.

Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, pediram uma trégua temporária em sua guerra comercial em 1º de dezembro. Trump concordou em adiar por 90 dias o aumento previsto para 1º de janeiro nas tarifas sobre produtos chineses enquanto os dois lados negociam o aumento das compras chinesas de produtos agrícolas dos EUA, entre outros pontos.

Trump disse na terça-feira que essas negociações já estavam acontecendo por telefone.

"Provavelmente teremos outra reunião. E talvez uma reunião das principais pessoas de ambos os lados", disse Trump. "Se for necessário, vou ter outra reunião com o presidente Xi, de quem gosto muito e com quem me dou muito bem."

Trump não ofereceu nenhum cronograma para novas reuniões face a face entre autoridades americanas e chinesas.

Ele disse que esperaria para aumentar as tarifas sobre produtos chineses para 25 por cento, de 10 por cento, até que se torne evidente se os Estados Unidos e a China podem fazer um acordo.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade