0

'Se entrou gente da guerrilha, por que não do Exército?'

'Guru' econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes defendeu ao 'Estado' a participação de militares num eventual governo do presidenciável

27 jul 2018
13h59
atualizado em 28/7/2018 às 11h53
  • separator
  • comentários

Principal assessor e responsável pelo capítulo econômico do programa de governo do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, o economista Paulo Guedes defendeu nesta sexta-feira, 27, a participação demilitares numa eventual gestão do deputado fluminense. "Entrou alguém que estava na guerrilha há 20 anos, por que não pode entrar um (ex) capitão do Exército?", questionou Guedes, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

O comentário de Guedes é uma referência à presidente cassada Dilma Rousseff (PT), que atuou na Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares) durante a ditadura militar, e a Bolsonaro, que é militar reformado.

Numa tentativa de dirimir a desconfiança de agentes econômicos em relação à candidatura de Bolsonaro, Guedes ressaltou sua confiança nas instituições e na democracia, que, segundo ele dão segurança à alternância de poder. Como exemplo, disse que quando o Executivo "se portou mal", houve impeachments de presidentes, e quando o Legislativo se portou mal, o Judiciário agiu.

Ao apresentar as linhas gerais do programa econômico de Bolsonaro, Guedes afirmou que o "objetivo absoluto" é o controle de gastos com a meta de zerar o déficit primário em um ano. "Vamos tentar um ataque frontal e zerar o déficit (nas contas públicas) em um ano."

Questionado sobre a disposição de Bolsonaro para fazer uma agenda de reformas econômicas liberais, Guedes ressaltou que o pré- candidato entende que precisa ser feita uma transformação no Estado brasileiro. "Ao contrário do que todo mundo pensa, porque todo mundo tem medo às vezes do Jair Bolsonaro, não tem ameaça nenhuma, ele é muito ponderado sobre o que é possível fazer."

Forte defensor do liberalismo na economia, o economista demonstrou disposição para a negociação política em torno de propostas econômicas em caso de resistência do Congresso. "Você acha razoável numa democracia alguém ter carta branca para fazer tudo o que quer? Ou será uma resultante do processo político? Acredito que será resultante do processo político", disse. "Ninguém é salvador da pátria, ninguém vai fazer nada sozinho, não existe plano mirabolante para salvar o País."

Ao falar de política, Guedes disse que o Bolsonaro tem como condição não fazer negociações com base no "toma lá, dá cá". "Posso testemunhar que não ouvi um minuto de conversa não republicana do Jair Bolsonaro topando acordo para fazer isso ou aquilo. É inacreditável, mas é fato", afirmou.

Segundo Guedes, o presidenciável conversou com o PR, partido integrante do Centrão, porque queria o senador Magno Malta (ES) como vice porque ele "foi um cara muito firme durante o impeachment" da ex-presidente Dilma e é religioso". No relato do economista, Bolsonaro teria dito: "Eu quero o Magno Malta, não é o partido dele". Segundo o economista, quando as negociações passaram a incluir outros nomes do PR e articulações com diretórios estaduais, Bolsonaro disse que não aceitava imposições.

Partido tem soluções para vice de Bolsonaro

O economista disse ainda que o nome da advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment de Dilma, segue aventado como possível vice. Na aproximação com a jurista, afirmou, Bolsonaro "deu testemunho de que preza, sim, as mulheres". Segundo ele, o candidato "tem três, quatro soluções internas" para a vice. Guedes citou o príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança, descendente da família real, que "fala várias línguas, é um constitucionalista". Segundo Guedes, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), "que é o braço direito político" de Bolsonaro, cuida da articulação política com nomes de fora do PSL para a vice.

O economista ainda negou atritos internos na campanha de Bolsonaro em torno do cancelamento de sua participação na Cúpula Conservadora das Américas, inicialmente agendada para este fim de semana, em Foz do Iguaçu (PR). Guedes alegou problemas de agenda para cancelar sua ida, segundo ele, antes mesmo de o evento ser adiado.

VÍDEO: Direto ao ponto - A desidratação da campanha de Bolsonaro

MM_AG_PT_ASSET_905668

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade