5 eventos ao vivo

'Se Bruno Reis fosse um poste, não estaria liderando as pesquisas', diz ACM Neto

Prefeito de Salvador cita pesquisas eleitorais e defende escolha do candidato

14 set 2020
20h16
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O prefeito ACM Neto (DEM) afirmou nesta segunda-feira, 14, que o candidato do partido na eleição em Salvador, Bruno Reis, não é um "poste" ou produção de sua autoria. "Bruno não é um desconhecido que estou produzindo como candidato. Que estou tirando de outra área e dizendo que vai ser candidato. Bruno construiu isso ao longo de 20 anos na vida pública (...). Se Bruno fosse um poste, não estaria liderando todas as pesquisas, como lidera hoje, por méritos", disse o prefeito.

A declaração do prefeito, feita durante convenção que confirmou o nome de Reis à prefeitura, acaba sendo uma provocação ao adversário político, o PT, cuja candidata é major Denice, que coordenava a ronda Maria da Penha na Polícia Militar e foi alçada pelo governador Rui Costa (PT) como a representante do partido para disputar o Palácio Thomé de Souza.

Reis é vice-prefeito e esteve à frente de duas secretarias. A vice em sua chapa é Ana Paula Matos (PDT), ex-secretária de Promoção Social e Combate à Pobreza de Salvador. A candidatura conta com 15 partidos de apoio e mil candidatos a vereança.

Neto qualificou, ainda, como "visão preconceituosa" provocações de opositores que têm taxado a composição Bruno-Ana Paula como "chapa branca" em alusão à cor da pele dos candidatos, autodeclarados pardos. "O que diferencia o candidato fulano ou beltrano da oposição de Bruno e Ana Paula? Nada. Qualquer coisa fora disso é preconceito", disse o prefeito.

A chapa DEM-PDT em Salvador é vista como porta aberta para futuro apoio do Democratas à candidatura de Ciro Gomes à presidência da República em 2022. Neto diz que não houve acordo nesse sentido. O PDT compõe a base de Rui Costa, que ainda não se pronunciou sobre o apoio do partido aliado ao seu principal adversário na capital.

Veja também:

Limitar pagamentos de precatórios garante R$ 40 bilhões a novo programa social do governo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade