3 eventos ao vivo

Ministro do TSE nega pedido de Cid Gomes para suspender propaganda de Bolsonaro

Vídeo exibia imagens do pedetista com duras críticas ao Partido dos Trabalhadores

18 out 2018
21h08
  • separator
  • comentários

O ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou nesta quinta-feira, 18, um pedido do senador eleito Cid Gomes (PDT-CE) para suspender a veiculação de uma propaganda do candidato do PSL à Presidência nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, em que é exibido vídeo do pedetista com duras críticas ao Partido dos Trabalhadores.

Em ato político realizado em Fortaleza (CE), Cid disse que o PT deveria fazer uma autocrítica e assumir que fez "muita besteira" para não "perder feio" de Bolsonaro. O pedetista foi vaiado pela plateia, que começou a gritar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato.

Cid Gomes alegou ao TSE que, da forma como está sendo veiculada, a propaganda "passa a falsa imagem" de que o senador eleito "estaria declarando apoio ao candidato Bolsonaro, quando na verdade nem de longe isso seria verdade."

Alegando questões processuais, Salomão concluiu que Cid Gomes não tinha legitimidade para apresentar a representação contra a propaganda de Bolsonaro, já que Cid Gomes disputou as eleições 2018 para uma cadeira do Ceará no Senado Federal - e já foi eleito -, enquanto Bolsonaro disputa o segundo turno das eleições presidenciais.

"Assim, penso que carece de legitimidade ativa o representante (Cid Gomes) para ajuizar a representação, porquanto assume condição jurídica de candidato - eleito - em circunscrição diversa pela qual os representados (Jair Bolsonaro, e sua coligação "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos") concorrem ao pleito. Ante o exposto, julgo extinta a representação, sem resolução do mérito", concluiu Salomão.

Rosa Weber convoca coletiva de imprensa

BRASÍLIA - A dez dias do segundo turno das eleições 2018, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, convocou uma coletiva de imprensa para esta sexta-feira, às 16h, no prédio do TSE em Brasília. Segundo o Estadão/Broadcast apurou, a presidente da Corte Eleitoral deve falar de medidas que vêm sendo adotadas para garantir lisura das eleições e responder a questionamentos levantados no primeiro turno do pleito. Também participarão da coletiva o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general Sérgio Etchegoyen, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, e o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro.

A última entrevista concedida por Rosa, que tem perfil reservado e não costuma falar com a imprensa, ocorreu no último dia 7, após os resultados do primeiro turno das eleições 2018. A nova coletiva foi convocada em meio a uma semana que colocou o TSE no centro do debate. Nesta quinta-feira, 18, o PT entrou com uma ação de investigação contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e empresas apontadas como responsáveis por bancar a disseminação de mensagens contra a campanha do PT pelas redes sociais.

Também nesta semana, o TSE esteve às voltas com a temática das "fake news". O Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições do TSE se reuniu na terça-feira, 16, por teleconferência com representantes do WhatsApp para discutir a proliferação de notícias falsas no aplicativo. A reunião aconteceu cerca de uma semana após o conselho se reunir pela primeira vez durante a campanha eleitoral.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade