2 eventos ao vivo

Filho de Bolsonaro é banido pelo WhatsApp e vê "perseguição"

Aplicativo notifica ainda agências suspeitas de irregularidades na distribuição de mensagem

19 out 2018
13h35
atualizado às 14h29
  • separator
  • comentários

O WhatsApp baniu o número do Flávio Bolsonaro, filho do candidato do PSL à Presidência Jair Bolsonaro, do aplicativo. Flávio foi eleito senador pelo Rio no último dia 7 de outubro. "A perseguição não tem limites! Meu WhatsApp, com milhares de grupos, foi banido do nada, sem nenhuma explicação! Exijo uma resposta oficial da plataforma", escreveu Flavio em postagem no Instagram.

Filho do presidenciável, Flávio Bolsonaro afirmou que pessoas próximas ao candidato temiam ataque
Filho do presidenciável, Flávio Bolsonaro afirmou que pessoas próximas ao candidato temiam ataque
Foto: Paulo Lopes / Futura Press / Estadão Conteúdo

Irmão de Flávio, o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro também repercutiu o banimento. "Primeiro caso de banimento do whatsapp que tomo conhecimento ocorreu com o senador eleito @FlavioBolsonaro . O post que tenha motivado a punição não é informado. Se isso não é CENSURA eu não sei o que é...", escreveu Eduardo nas redes.

Ainda nesta sexta-feira, o WhatsApp enviou notificação extrajudicial para quatro agências suspeitas de fazerem envio massivo irregular de mensagens durante o período eleitoral. O aplicativo determina que parem de fazer envio e de utilizar números de celulares obtidos pela internet. Na quinta-feira, 18, o jornal Folha de S. Paulo disse que empresas bancaram uma campanha de mensagens contra o PT com pacotes de disparos em massa.

O comportamento, segundo o WhatsApp, fere as regras do aplicativo. O envio de mensagens com conteúdo eleitoral não é ilegal. Para isso, é necessário que os candidatos entregam os telefones e uma lista de apoiadores que voluntariamente os cederam seus dados. No entanto, há a suspeita de que as agências venderam bases de usuários de terceiros, segmentadas por região e perfil, de origem desconhecida —o que é ilegal.

"Estamos tomando medidas legais para impedir que empresas façam envio maciço de mensagens no WhatsApp e já banimos as contas associadas a estas empresas", informou em nota o WhatsApp.

Veja também:

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade