PUBLICIDADE

Ciro Gomes critica gestões de Lula e Bolsonaro e diz que País 'não tem modelo para nada'

Pré-candidato ao Planalto diz que ex-presidente e o atual deixam 'coisas paradas pelo caminho' e que 'ninguém sabe o que fazer em tecnologia e infraestrutura'

27 abr 2022 20h57
ver comentários
Publicidade

SALVADOR - O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, voltou a criticar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL), líderes nas pesquisas de intenção de voto ao Planalto. Apesar de dizer que "não acho que eles são maus, e eu sou o bom", o presidenciável disse que os dois adotam um modelo de governança "da mão para a boca".

"Não acho que Bolsonaro seja mau, que o Lula seja mau, e eu sou bom. O problema é que o erro estratégico é administrar um país desses da mão pra boca. E aí deixa coisas paradas pelo caminho", disse Ciro. Ele participou nesta quarta-feira, 27, da 23ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, organizada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Ciro também criticou a "falta de modelos" para administração do País. "O Brasil não tem modelo para nada. Ninguém sabe o que fazer em tecnologia, em infraestrutura, é um caos completo", afirmou. Ele citou como exemplo o programa Mais Médicos do governo Dilma, que trouxe profissionais de saúde cubanos para atender regiões do País que tinham déficit de profissionais da saúde.

"O Brasil, em vez de investir na formação do capital humano e mexer nas residências, resolveu atalhar o caminho e importar médico de Cuba. O Brasil precisa importar um quadro profissional de um país menor que o Rio Grande do Sul e mais pobre que o nosso?", questionou. A crítica ao programa é recorrente também por parte de Bolsonaro, que diz que o dinheiro pago aos médicos ia para o ex-presidente cubano Fidel Castro, falecido em 2016.

O presidenciável ainda criticou o baixo nível de investimento do governo brasileiro. Ele lembrou que o País tem um dos maiores orçamentos do mundo, de R$ 4 trilhões previstos para esse ano, mas só R$ 44 bilhões devem ficar livres para aplicação em áreas como infraestrutura, saúde e educação. Para resolver parte do problema, Ciro propõe cortar 20% das renúncias fiscais feitas atualmente.

"O Brasil dispensa R$ 350 bilhões em arrecadação por ano. Só nisso (corte em renúncias), sobra R$ 70 bilhões para investimentos por ano." Ele também prometeu fazer com que o País tenha o mesmo nível de desenvolvimento da Espanha nos próximos 30 anos e que abriria o caminho para isso com um pacote de investimentos feitos em quatro anos de seu evento governo.

Dívidas

Ciro afirmou que vai rever a dívida de estados e municípios com a União caso seja eleito. De acordo com o pedetista, juntos, os entes federados possuem débitos com o governo que somam R$ 600 bilhões, apenas 10% do total da dívida pública brasileira. A revisão do montante poderia aumentar a margem dos municípios e estados para investimentos, acredita Ciro.

"Eu proponho um pacto federativo reconstituído. Primeiro passo: a dívida consolidada dos municípios e dos estados é de R$ 600 bilhões, isso é menos de 10% da dívida brasileira. Não há nenhuma razão para o Estado não fazer uma grande consolidação desse passivo e restaurar a capacidade de investimento dos estados e, avassaladoramente, tirar a burocracia dos municípios naqueles acessos a recursos multilaterais", disse.

Estadão
Publicidade
Publicidade