1 evento ao vivo

Bolsonaro segundo a imprensa francesa

O que dizem Le Figaro, Le Monde e Libération sobre o candidato à Presidência do PSL

5 out 2018
18h47
atualizado às 19h01
  • separator
  • comentários

Até mesmo o Le Figaro, jornal da grande burguesia e da direita liberal, bate em Bolsonaro cada vez com mais força, à medida que o ex-capitão aumenta sua vantagem sobre seus rivais. Ontem pela manhã, o Le Figaro estava entusiasmado com a notícia divulgada pelo Publica, dizendo que um grupo de extrema direita seria a causa do endurecimento da ditadura brasileira. Não sem ingenuidade, o jornal acreditava que tal revelação prejudicaria Bolsonaro.

Le Figaro aproveitou a oportunidade para salientar a proximidade entre Bolsonaro e os generais de 1964-1885. Ele lembra algumas das proezas de eloquência de Bolsonaro. Por exemplo, em 1991 ele disse que deveríamos assassinar 30 mil corruptos, e que o mesmo Bolsonaro durante o impeachment Dilma, tinha elogiado o coronel Alberto Brilhante Ulstra, que foi um dos torturadores da ditadura.

Capa do ‘Libération' desta sexta-feira traz reportagem sobre o candidato Jair Bolsonaro
Capa do ‘Libération' desta sexta-feira traz reportagem sobre o candidato Jair Bolsonaro
Foto: Reprodução / Estadão Conteúdo

Escusado será dizer que o Le Monde, um jornal de alto nível, centro-esquerda, faz o mesmo assunto ser ouvido pela excelente correspondente Claire Gatinois. Bolsonaro é retratado como "insignificante", ávido por fama e polêmica, ridicularizado por sua ignorância e seus comentários "agressivos, vulgares, misóginos e homofóbicos: "eu seria incapaz de amar um filho homossexual e preferiria que ele morresse em um desastre de automóvel" (!).

Esse é o mesmo tipo de candidato a antissistema que a esquerda vomita, especialmente a de Lula, mas também a tradicional, que captura a voto "Saco Cheio" e "não estou nem aí". Devorado pela ambição, ele se aproxima dos evangélicos do Congresso, é batizado por um pastor em Israel, adota um discurso antiaborto. Ele é venerado pelas forças da ordem que prometeu anistiar de crimes e tornou-se o queridinho dos fazendeiros aos quais promete liberalizar o porte de armas e permitir o uso mais amplo de pesticidas".

Mesmas preocupações no The Economist de Londres: "A América Latina está ameaçada de sua parte pelo crescimento do candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro. No semanário Courrier International, o editorial concentra um olhar quase nostálgico no país. Sob o título "Reencontrar o Brasil", o editorial escreve: "O pesadelo brasileiro terá um fim? Da história econômica de sucesso, à futura fortaleza da extrema direita, o passo será dado com toda facilidade? "

O jornal da esquerda intelectual, Libération, dedica várias páginas ao Brasil. O cientista político Fédéric Louault, de Bruxelas, mostra a originalidade da votação. Quanto à questão "votar em Bolsonaro seria uma forma de vingança?" O pesquisador responde: "Já, bem antes, a vingança era o motor do MDB quando ele lançou a ofensiva contra Dilma Rousseff. Mas seu sucessor Michel Temer não conseguiu apresentar mais que um saldo negativo, permitindo que os eleitores se voltassem para uma opção mais radical".

Outra pergunta: "A imagem de 'Trump tropical' lhe parece correta? ". A resposta vem rápida: "Seu modelo seria mais o filipino Rodrigo Dutertre, mesmo que, como o presidente dos Estados Unidos, Bolsonaro simplifica ao extremo as questões e aposta na provocação. Mas Donald Trump não demonstra o desprezo de Bolsonaro pela democracia."

Todos os jornais, finalmente, seja qual for o espectro político ou moral conhecida, são tendenciosos não só em relação à misoginia de Bolsonaro, mas quanto à sua rudeza, como por exemplo quanto a essa frase que ele lançou contra uma parlamentar "Eu não vou violentar você porque você não merece isso. Você é muito feia".

Sobre este assunto, como no conluio de Bolsonaro com os generais de 1964, a imprensa francesa parece ter cometido um erro de avaliação. Quando ouvimos aqui os ecos da jornada de protesto "Ele Não", os especialistas acreditavam que as inúmeras mulheres da manifestação iriam reverter a tendência de voto em Bolsonaro. Mas parece que não. Após uma ligeira queda, as intenções de voto em Bolsonaro recuperaram-se. Soube-se mais tarde que "mulheres conservadoras" superariam sua aversão a Bolsonaro em nome do "voto útil". "Só ele, é capaz de impedir o retorno do PT", diz um grupo de mulheres pelo WhatsApp. E a signatária da matéria do Libération, Chantal Rayes, termina seu artigo com este breve pedido dirigido às mulheres brasileiras: "Acordem! " / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade