0

Fãs de Bolsonaro fazem "investigação" on-line e preocupam PF

Pessoas apontadas erroneamente como 'suspeitas' de participar do atentado são ameaçadas por meio da rede

13 set 2018
22h23
atualizado em 14/9/2018 às 08h03
  • separator
  • comentários

BRASÍLIA - A Polícia Federal tem se preocupado com uma espécie de apuração coletiva informal, realizada na internet por apoiadores do candidato à Presidência nas eleições 2018 Jair Bolsonaro (PSL), para apontar envolvidos no atentado a faca sofrido pelo deputado. A "caçada virtual" levou pessoas apontadas erroneamente como "suspeitas" a denunciarem o caso às autoridades. Essa movimentação em busca de culpados causou apreensão também entre integrantes da campanha, que vieram a público pedir cautela. O objetivo é evitar que pessoas sem vínculo com o atentado, entre eles um segurança do candidato, virassem alvo de agressões.

Entre os perfis apontados como suspeitos de participação do atentado pelos "investigadores virtuais" pelo menos duas mulheres com nome de Aryane Campos, ambas de Juiz de Fora, foram

Jair Bolsonaro foi alvo de facada em Juiz de Fora, em 6 de setembro
Jair Bolsonaro foi alvo de facada em Juiz de Fora, em 6 de setembro
Foto: EPA / Ansa

as pela internet de morte e tiveram de comparecer à delegacia. Uma foi a pesquisadora em genética e doutora em Ciências Biológicas Aryane Campos Reis, da Universidade Federal de Juiz de Fora.

A outra é a estudante Aryane Campos, de 18 anos, que contou à reportagem que estava em casa com a mãe quando Bolsonaro foi atacado. A reportagem identificou outros seis nomes com perfis divulgados em redes sociais, vinculados erroneamente ao atentado. O pizzaiolo Hugo Ricardo Bernardo, de 27 anos, chegou a brigar com militantes no PSL na passeata e foi hospitalizado. Detido e depois liberado, ele disse desconhecer o servente de pedreiro Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, preso em flagrante pelo ataque a Bolsonaro.

A prática de investigações coletivas por meios virtuais não é uma novidade. Nos Estados Unidos, uma investigação desse tipo resultou em suspeita infundada em casos de repercussão mundial, como o atentando da Maratona de Boston, em 2013. Na ocasião, homens identificados erroneamente foram ameaçados depois de expostos na internet e em capas de tabloides sensacionalistas do País. Internacionalmente, a prática ficou conhecida por termos como crowdsourced crime-solving e crowdsourced investigation.

Suspeitos de crimes identificados por engano na internet também já foram expostos e agredidos no Brasil. Um dos casos mais graves ocorreu em 2014, no Guarujá (SP). A dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, foi espancada publicamente até a morte, depois de ser confundida com o retrato falado, divulgado em redes sociais, de uma suposta sequestradora de crianças.

Logo após a facada em Bolsonaro e a prisão de Adélio, o círculo político mais próximo ao presidenciável passou a colocar em dúvida a tese de que o criminoso agiu sozinho - a mais forte até agora na investigação da PF. Esse simpatizantes de Bolsonaro promoviam uma caçada à identidade de pessoas que apareciam nos vídeos gravados no momento do ataque, distribuídos por redes sociais e aplicativos como Facebook, WhatsApp e Twitter e a plataforma Reddit, espécie de fóruns para colagem de conteúdo sobre um mesmo assunto. O auge da ação ocorreu entre sexta-feira e a segunda-feira passadas.

Coube a personalidades influentes entres os seguidores de Bolsonaro fazer os primeiros pedidos de cautela. A advogada Janaína Paschoal, coautora do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e hoje candidata do PSL a deputada estadual em São Paulo, foi uma delas. Ela afirmou ter ficado preocupada e decidiu fazer o alerta por conta própria depois de receber vídeos e imagens em grupos Whatsapp de militantes, sem ter identificado nenhum núcleo de pessoas que esteja promovendo a investigação por conta própria.

Por meio de nota, a PF orientou que relatos sobre crimes devem ser feitos preferencialmente de forma presencial nas delegacias e que outra opção é a ouvidoria do órgão na internet. "Em casos de grande repercussão é natural que um elevado número de comentários, críticas e denúncias correlatas cheguem à PF, pelos mais diversos meios. Preferencialmente, esses relatos devem ser feitos nas delegacias, de forma presencial, por parte do denunciante. A PF conta também com um serviço de ouvidoria em seu sítio na internet", disse ao Estado a assessoria de imprensa.

Estudante Aryane Campos, de 18 anos, em depoimento ao Estado

"No dia (quinta-feira, dia 6) do que aconteceu com o Bolsonaro eu estava em casa trabalhando com a minha mãe. Moro com meus pais em Juiz de Fora e fiquei sabendo quando passou no jornal, na TV. Tenho 18 anos e estou terminando o terceiro ano do ensino médio. Não sei como chegaram ao meu nome. Não sou eu na foto de óculos no Facebook. Acharam fotos minhas que estavam no Twitter de uma amiga e começaram a atacá-la também. Uma delas é a Clara, que está em minha rede social, e tinha feito um comentário (sobre o Bolsonaro). Diziam que a gente tinha feito uma conta falsa, que éramos a mesma pessoa. Tem foto minha em montagens. Desativei tudo. A Clara também desativou as redes sociais. Na sexta-feira, eles (policiais) vieram aqui em casa para investigar. Olharam para mim e falaram: 'Você não é a menina (a mulher que aparece em vídeos divulgados por simpatizantes do candidato)'. Mostraram uma foto dela e perguntaram se eu a conhecia. Fui liberada. Mas começou a piorar. Acharam meu número, começaram a me ligar e mandar mensagem. Falavam que viriam atrás de mim, que iriam me achar e que não adiantava eu ficar escondida. Era gente do País inteiro, notei pelo DDD. Acho que eles queriam me colocar medo. Houve muito xingamento e acusação. Acharam o Facebook da minha mãe e compartilharam foto dela, dizendo que era a mãe da assassina que tinha ajudado no crime. Denunciei o comentário e bloqueei a conta. Na terça-feira, fomos por conta própria à Polícia Federal e pedimos para conversar com o delegado. Expliquei o que tinha acontecido. Ele fez uma nota de esclarecimento, ficamos com uma cópia. Outra Aryane Campos também chegou para ser ouvida. O delegado pediu para manter sigilo, disse que quanto mais me expusesse seria pior. Pediu para que eu ficasse em casa esses dias e evitasse sair sozinha. Está uma situação muito complicada, de eu estar impedida até de sair de casa, mas acredito que agora as coisas vão melhorar e vou poder voltar às minhas atividades, sem medo. É assustador chegar ao ponto de ter medo de sair de casa. Dá medo porque, nesse negócio de política, as pessoas estão sem limite. Virou perseguição."

Veja também

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade