0

TSE: aeroporto de Cláudio não pode ser citado em propaganda

Propaganda política de Dilma Rousseff atacando Aécio Neves por construir o aeroporto, supostamente para beneficiar sua família, está supensa pelo Tribunal

18 out 2014
17h29
atualizado às 17h45
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Para ministro do TSE, ataque à Aécio Neves (PSDB) não foi "um debate servil à democracia"</p>
Para ministro do TSE, ataque à Aécio Neves (PSDB) não foi "um debate servil à democracia"
Foto: Victor Schwaner/Nitro / Divulgação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu, na última sexta-feira, ao candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, o direito de não ter sua imagem vinculada ao Aeroporto de Cláudio, em Minas Gerais.

Com a decisão, a propaganda política no rádio e na TV de Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, que afirma que o tucano construiu o aeroporto para beneficiar sua família, está supensa.

“Dizer que o candidato adversário só fez dois aeroportos, um deles na fazenda da própria família, e que as chaves ficam nas mãos do seu tio não me parece crítica inserida no espectro de incidência de um debate servil à democracia,” afirmou o ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto na decisão do TSE.

O ministro-relator ainda afirma que, embora a primeira parte da mensagem possa ser tida como “válida”, com a comparação entre os governos e a construção de aeroportos, a segunda parte da propaganda “denota ofensa de caráter pessoal que, potencializada, pode ensejar, em tese, até mesmo a caracterização de crime”.

Veja o cenário eleitoral nos estados Veja o cenário eleitoral nos estados

Puxão de orelha
Em sua decisão, Tarcisio Vieira ainda crítica o atual “vale-tudo político”. “O espaço disponibilizado no rádio e na TV deve ser utilizado de maneira propositiva”, explicou o ministro.

“Ou seja, não pode ser desvirtuado para a realização de críticas destrutivas da imagem pessoal do candidato adversário, nem é justo que o ofendido tenha de utilizar o seu próprio tempo para se defender de ataques pessoais em prejuízo de um autêntico e benfazejo debate político”.

O ministro ainda encerra sua decisão dizendo que a Corte também foi “enfática ao desestimular” utilização de “matérias depreciativas” e a participação de terceiros sem relação com a “cena política” nacional e que essas razões estariam afastando os dois candidatos do debate de ideias.

A decisão, em carácter liminar, foi concedida apenas para este processo, os anteriores continuam com o mesmo padrão proposto pelo TSE.

Veja também:

PM detém rapaz após acidente de trânsito no Bairro Santo Onofre
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade