UFRJ anuncia cortes para se adequar à redução do orçamento

Seis medidas adotadas a partir da próxima segunda-feira vão afetar o deslocamento de servidores em carros oficiais, o uso de celulares corporativos e serviços de jardinagem e manutenção, entre outras áreas

4 set 2019
21h37
  • separator
  • 0
  • comentários

RIO - A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) anunciou nesta quarta-feira, 4, mudanças na rotina de trabalho para se adequar aos cortes no orçamento impostos pelo Ministério da Educação. Seis medidas adotadas a partir da próxima segunda-feira, 9, vão afetar o deslocamento de servidores em carros oficiais, o uso de celulares corporativos e serviços de jardinagem e manutenção, entre outras áreas.

Em nota, a reitoria da universidade afirma que "as medidas visam à manutenção do funcionamento da Universidade e se justificam pelo bloqueio orçamentário realizado pelo governo federal". "A Reitoria da UFRJ reconhece o esforço que tais medidas representarão para a comunidade universitária, mas reitera a necessidade dos ajustes diante do grave quadro orçamentário atual". Novas medidas ainda estão em estudo e serão anunciadas em breve, segundo a UFRJ.

As medidas anunciadas são: 1) racionamento do uso de veículos oficiais; 2) suspensão dos serviços de telefonia móvel para ocupantes de cargos de representação da Reitoria, das pró-reitorias, decanias e unidades; 3) suspensão de passagens internacionais e limitação de viagens e diárias nacionais para atividades de campo de disciplinas de graduação; 4) redução do quadro de auxiliares de processamento de dados; 5) suspensão do contrato de serviços de manutenção externa e jardinagem; 6) nova licitação de transportes de ônibus internos do campus Cidade Universitária e intercampi.

A UFRJ é a maior universidade federal do país e a primeira instituição oficial de ensino superior do Brasil, com atividade desde 1792 e organizada como universidade em 1920. Oferece hoje 176 cursos de graduação, 130 cursos de mestrado e 94 cursos de doutorado e reúne mais de 67 mil estudantes, 4.000 docentes e 9.000 servidores técnico-administrativos. A Universidade administra nove hospitais universitários, 13 museus, 1.200 laboratórios, 45 bibliotecas e um parque tecnológico de 350 mil metros quadrados.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade