Tire suas dúvidas sobre a volta às aulas na rede estadual a partir desta segunda-feira, 8

Apesar da reclassificação do Plano São Paulo para a fase amarela, escolas estaduais começarão o ano letivo com 35% da capacidade

8 fev 2021
05h10
atualizado às 06h31
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O governo do Estado de São Paulo autorizou o retorno do ensino presencial de cerca de 3,3 milhões de alunos em 5 mil escolas da rede estadual de ensino a partir desta segunda-feira, 8. A mudança da reclassificação do Plano São Paulo foi anunciada pelo governador João Doria (PSDB) na última sexta, 5.

Abaixo, perguntas e respostas sobre a retomada das aulas presenciais na rede estadual:

Na fase amarela, todas as escolas da rede estadual receberão 70% dos alunos?

Não. Apesar da reclassificação do Plano São Paulo para a fase amarela, o governador João Doria anunciou que as escolas estaduais começarão o ano letivo com 35% da capacidade pelas próximas duas semanas, com rodízio de alunos. Por isso, é importante que pais, responsáveis ou alunos maiores de 18 anos entrem em contato com a escola para saber os dias e horários em que poderão ir presencialmente à unidade.

É obrigatória a presença do aluno na escola?

Não. Por enquanto, os alunos que não puderem acompanhar as aulas nas escolas devem fazer via Centro de Mídias SP, remotamente.

Estudante pertencente ao grupo de risco deve permanecer em casa?

Sim. O aluno pertencente ao grupo de risco para a covid-19 que apresente atestado médico poderá participar das atividades escolares exclusivamente por meios remotos, enquanto perdurar a medida de quarentena.

Se a escola tiver algum caso ou aluno com suspeita de covid-19, qual será o procedimento?

A unidade escolar registrará a ocorrência de caso suspeito e confirmado de coronavírus no Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para covid-19 - SIMED, disponível na Secretaria Escolar Digital - SED, mantendo as informações atualizadas.

A temperatura corporal do aluno será aferida?

Sim. Todas as escolas da rede estadual devem aferir a temperatura corporal de alunos e funcionários na entrada e durante o período de aula.

Servidores, pais, responsáveis e alunos também devem realizar o procedimento antes da ida para a escola e ao retornar. Caso a temperatura esteja acima de 37,5°C, a recomendação é ficar em casa.

Os estudantes e servidores devem usar máscaras de tecido no transporte escolar e público e em todo o percurso de casa até a escola.

A escola irá disponibilizar álcool em gel?

Sim. Todas as escolas da rede estadual estão equipadas com dispensers com álcool em gel 70% para higienização das mãos.

É obrigatório o uso de máscara dentro da escola?

Sim. É obrigatório o uso de máscara de tecido dentro da escola. Os servidores devem utilizar, além da máscara de tecido, o face shield (protetor de face) durante sua jornada laboral presencial.

A higienização das salas, banheiros e lavatórios será constante?

Sim. Os prédios, salas de aula e, particularmente, as superfícies que são tocadas por muitas pessoas serão higienizadas antes do início das aulas em cada turno e sempre que necessário. Os banheiros, lavatórios e vestiários serão higienizados antes da abertura, após o fechamento e, no mínimo, a cada três horas.

Como será a disposição das carteiras em salas de aula?

As carteiras terão espaços de 1,5 metro de distância entre elas. O piso também terá sinalização de distanciamento de 1,5 metro. Durante a formação de filas, o aluno deve cumprir o distanciamento de 1,5 metro.

O aluno poderá usar o bebedouro?

Apenas para encher vasilhames e garrafas. É proibido beber água nos bebedouros colocando a boca no bico de pressão ou na torneira. Cada estudantes deve ter seu próprio copo ou garrafa ou utilizar copos descartáveis.

E as escolas municipais?

As atividades presenciais da rede municipal começarão apenas em 15 de fevereiro. Cidades na fase amarela poderão, mas não são obrigadas, a ampliar a capacidade de ocupação para 70%. A capital paulista manterá a regra de 35% até pelo menos o final de fevereiro.

Veja também:

Os heróis que mantiveram a educação caminhando em 2020
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade