Reunião da comissão do Escola Sem Partido é suspensa após bate-boca

Deputados se reuniram ao redor da mesa do presidente da comissão, Marcos Rogério (DEM-RO), na tentativa de atrasar a votação

4 dez 2018
19h32
atualizado às 22h11
  • separator
  • comentários

BRASÍLIA - Após desentendimentos entre parlamentares, a reunião da comissão especial sobre o projeto de lei Escola sem Partido foi suspensa na Câmara nesta terça-feira, 4, sem a análise do texto. O presidente da comissão, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), suspendeu a sessão após vários deputados se reunirem ao redor da mesa da presidência na tentativa de atrasar a votação.

A reunião teve início por volta das 16 horas, mais uma vez com bate-boca. Os desentendimentos entre parlamentares têm sido comuns nas sessões sobre o assunto, que ainda atraem manifestantes favoráveis e contrários ao projeto.

Os deputados tentaram colocar em votação o texto do parecer do relator, deputado Flavinho (PSC-SP), que foi lido na comissão no dia 22 de novembro. Caso os deputados favoráveis consigam vencer a obstrução da oposição, a perspectiva é que a votação seja concluída na quinta-feira, 6.

A matéria do Escola Sem Partido é conclusiva, ou seja, pode ir direto para o Senado. A oposição, porém, vai tentar barrar "esse salto" por meio de requerimentos previstos no regimento da Casa. A deputada Erika Kokay (PT-DF), uma das principais opositoras, chegou três horas antes do início da sessão desta terça para protocolar um requerimento de inversão de pauta, uma das estratégias para bloquear a votação.

Entenda a polêmica do Escola Sem Partido

O projeto prevê a proibição do que chama de "prática de doutrinação política e ideológica" pelos professores. Além disso, prevê vetar atividades e a veiculação de conteúdos que não estejam de acordo com as convicções morais e religiosas dos pais do estudante.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade