Portões serão abertos com uma hora e meia de antecedência nos dias do Enem

A medida foi adotada em razão da pandemia do novo coronavírus e objetiva evitar aglomerações. Provas ocorrem nos dias 17 e 24 de janeiro (versão impressa) e 31 de janeiro e 7 de fevereiro (versão digital)

11 jan 2021
18h46
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Os portões nos locais de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão abertos às 11h30, com uma hora e 30 minutos de antecedência, informou nesta segunda-feira o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A medida foi adotada em razão da pandemia do novo coronavírus e objetiva evitar aglomerações. As provas serão aplicadas nos dias 17 e 24 de janeiro (versão impressa) e 31 de janeiro e 7 de fevereiro (versão digital).

Confira os horários de aplicação do Enem 2020:

  • Abertura dos portões: 11h30
  • Fechamento dos portões: 13h
  • Início das provas: 13h30
  • Término das provas 1º dia: 19h
  • Término das provas 2º dia: 18h30

Os 5.783.357 inscritos terão o desempenho escolar avaliado por meio de um exame que conta com redação e 45 questões em cada prova das quatro áreas de conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; e matemática e suas tecnologias.

O Inep informou que protocolos relacionados à covid-19 "foram definidos em conjunto entre o Inep e as empresas contratadas para a aplicação do exame, com base nas principais diretrizes do Ministério da Saúde e de outros órgãos e entidades de referência".

Após um pedido da Defensoria Pública da União e do Ministério Público Federal (MPF) à Justiça Federal de São Paulo nesta sexta-feira, 8, pelo adiamento do Enem em função do avanço da pandemia, o Inep defendeu a manutenção do calendário atual. Para o órgão responsável pela organização da prova, "a realização do exame na data marcada é perfeitamente possível e segura para todos os envolvidos, não havendo riscos de ordem sanitária".

Veja também:

Os heróis que mantiveram a educação caminhando em 2020
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade