MPF investigará fraudes de cotas raciais em Medicina da UFMG

Portaria interministerial vai criar comissões de verificação; um dos estudantes disse que vai abandonar o curso

26 set 2017
17h08
  • separator
  • comentários

O apego a Belo Horizonte foi uma das razões apresentadas pelo calouro de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Vinícius Loures, de 23 anos. Loiro de olhos azuis, o modelo se autodeclarou negro para ter acesso ao ensino superior pelo sistema de cotas. Ele e outros estudantes foram denunciados por entidades ligadas a questões raciais e veículos de imprensa.

Vinícius Loures, de 23 anos
Vinícius Loures, de 23 anos
Foto: Divulgação

Vinícius já disse que vai abandonar o curso e espera que, agora, sua vaga seja ocupada por quem de fato merece utilizar o sistema de cotas raciais da federal mineira. Arrependido, ele disse que os pais não sabiam da fraude e que não teve coragem de deixar o curso antes.

"Já estava um clima pesado na faculdade, estava me sugando, acordava desmotivado porque tinha algo de errado, e isso não era legal. Já estava planejando fazer o Enem de novo. Estou com 23 anos, eu não sei o que eu quero da vida mesmo. Mas vou sair e torcer para que a minha vaga vá para uma pessoa negra", afirmou em entrevista publicada pelo jornal O Tempo .

A repercussão da denúncia de fraude obrigou o MPF a abrir mais um inquérito para apurar o ingresso por meio de cotas na UFMG. Desde o início do ano letivo, entidades ligadas aos direitos dos negros.

A pesquisadora do programa de ações afirmativas da UFMG e professora da rede municipal de Belo Horizonte, Aline Alves, defende que a entrada de cotistas deve ser aprimorada e outras experiências e pesquisas precisam ser compartilhadas.

Portaria Interministerial pretende barrar fraudadores

Uma tentativa de reduzir as fraudes, segundo a reitoria da universidade é a edição de uma portaria dos Ministérios da Educação e Direitos Humanos que deve criar comissões de verificação de acesso às instituições federais.

O secretário especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial da Presidência da República, Juvenal Araújo, acredita que a comissão vai contribuir na fiscalização.

Diretório Acadêmico critica recorrência de casos e reação da reitoria: "incipiente"

Em nota em tom duro, o diretório acadêmico da universidade destaca que as fraudes vem ocorrendo no sistema e rechaça a possibilidade de mudanças nas políticas afirmativas. "Em hipótese alguma deve ser confundido com a abolição das Políticas Afirmativas, que são de fundamental e incontestável importância para a construção de uma sociedade equânime".

Leia a nota na íntegra:

O Diretório Acadêmico Alfredo Balena (DAAB) reconhece e apoia a política de cotas raciais para acesso ao ensino superior,agindo como forma de reparo à marginalização socioeconômica histórica da população negra. Também reconhece que fraudes nesse sistema, infelizmente, têm ocorrido, e necessitam ser averiguadas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Para o DAAB, a UFMG precisa encontrar formas de coibir tais ações fraudulentas, de modo que a finalidade da política de ações afirmativas se instaure de maneira efetiva. Assim, tanto a Faculdade de Medicina quanto a Universidade como um todo poderão deixar de ser ambientes tão elitizados e de reprodução constante de opressões. Desse modo, tais espaços estarão aptos a se tornar mais democráticos, pintando-se, assim, com a verdadeira face do povo brasileiro.

Importante salientar, que embora o posicionamento da UFMG demonstre o início de uma possível reação aos fatos que são noticiados, esta reação é ainda incipiente frente ao real tamanho do problema. Não obstante, devemos lembrar que os fatos indicam a necessidade de correções na Política Nacional de Cotas de acesso às IES, e isto em hipótese alguma deve ser confundido com a abolição das Políticas Afirmativas, que são de fundamental e incontestável importância para a construção de uma sociedade equânime".

Veja também:

Fonte: Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade