Educador Paulo Nathanael ganha Prêmio Professor Emérito Ruy Mesquita

Criado para marcar o Dia do Professor, o prêmio é concedido anualmente, desde 1997, a personalidades que contribuíram para o aprimoramento da educação brasileira

15 out 2019
20h08
  • separator
  • 0
  • comentários

O educador Paulo Nathanael, de 90 anos, recebeu nesta terça-feira, 15, o Prêmio Professor Emérito - Troféu Guerreiro da Educação Ruy Mesquita, concedido pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) em parceria com o Estado.

Criado para marcar o Dia do Professor, o prêmio é concedido anualmente, desde 1997, a personalidades que contribuíram para o aprimoramento da educação brasileira por meio de iniciativas diversas.

Nathanael foi secretário da Educação do município e do Estado de São Paulo e nomeado titular de importantes academias, como a Paulista de Letras, a Brasileira de Educação, a Brasileira de Filosofia, a Paulista de História e a Cristã de Letras.

Doutor pela Universidade Mackenzie, ele também foi presidente do Conselho Federal de Educação e reitor de universidades privadas. Antes de tantas titulações, foi professor de história de escolas de ensino básico do interior de São Paulo, onde teve início sua paixão pela educação. Ao longo de sua carreira, escreveu 20 livros sobre educação e história.

"Meu assunto na vida sempre foi educação. Desde os 17 anos, quando ministrei minha primeira aula para uma classe de 50 alunos, convivo com o saber e busco transmiti-lo às novas gerações", disse Nathanael, em seu discurso de agradecimento.

O educador destacou a necessidade de os processos educacionais se atualizarem frente às novas realidades. "Vivemos a idade do conhecimento ou da informação. Sua característica principal é a velocidade, que torna obsoleto em curto prazo, aquilo que, no passado, levava anos - e até séculos - para reclamar mudanças. O conflito entre o ensino tradicional e o exigido pelos novos tempos está na raiz dessa crise", declarou.

"O caminho para se alcançarem os novos padrões de convívio entre inteligência humana e a busca das novas verdades passa necessariamente pela educação. Não pela educação tecnoburocrática, organizada pela visão conservadora e controladora de educadores e administradores de plantão. Mas, sim, pela educação voltada para as novas necessidades, para os novos saberes, para as novas tecnologias em que a liberdade e a criatividade de alunos e professores devem conduzir o processo de aprendizagem", completou.

Presidente do Conselho Diretor do CIEE Nacional e do Conselho de Administração do CIEE São Paulo, Antonio Jacinto Caleiro Palma destacou a diversidade de funções desempenhadas por Nathanael. "Paulo foi de tudo na área da educação. Desde professor de um pequeno colégio na cidade de Tupã até fazer parte de academias, secretarias e organizações. Ele continuou a ensinar através de três pilares: conhecimento, simplicidade e amor. O aluno sempre esteve em primeiro lugar para ele", disse Palma.

Paulo Nathanael é a 23.ª pessoa a receber o Prêmio Professor Emérito. No ano passado, o troféu foi concedido ao professor e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Já receberam o prêmio também personalidades como José Goldemberg, Delfim Netto, Celso Lafer, Adib Jatene e Ruth Cardoso (a primeira contemplada). A premiação leva o nome de Ruy Mesquita desde 2013, em homenagem póstuma ao ex-diretor de Opinião do Estado - falecido naquele ano.

Premiados

2018 - Fernando Henrique Cardoso

2017 - Roberto Rodrigues

2016 - Rubens Ricupero

2015 - Celso Lafer

2014 - José Goldemberg

2013 - William Saad Hossne

2012 - Delfim Netto

2011 - Angelita Habr-Gama

2010 - José Cretella Junior

2009 - Adib Jatena

2008 - Evanildo Bechara

2007 - Ives Gandra da Silva Martins

2006 - Crodowaldo Pavan

2005 - Paulo Nogueira Neto

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade