Como a pandemia muda benefícios no trabalho: assistência jurídica e laptop para crianças

Empregadores também expandem cobertura de plano de saúde, oferta de cuidados para saúde mental e plataformas de telemedicina; para home office, reembolso de gastos com internet

19 nov 2020
10h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Como muitas coisas em 2020, os benefícios e as vantagens adicionais para os empregados vêm sendo reformulados pela pandemia do coronavírus.

Neste novo período em que são abertas inscrições para mudança de planos de saúde e outros - o que ocorre todos os anos em meados do segundo semestre e é a ocasião em que os empregados podem escolher entre os benefícios a que terão direito para o ano seguinte - os empregadores estão propondo mais opções na área da saúde, como planos para cobertura de custos hospitalares, pagamento dos gastos com terapia de casal e acesso a planos de assistência jurídica pré-pagos para trabalhadores preocupados em manter em ordem questões relativas ao final da sua vida.

Além de oferecer mais tempo de folga ou mais flexibilidade para o funcionário cuidar dos filhos, os benefícios também receberam muita atenção nestes tempos de pandemia, e os patrões também têm oferecido mais acesso às plataformas de teleatendimento e auxílios no caso de problemas de saúde mental.

"Muitas empresas entenderam nesta pandemia que tanta coisa ocorre na sua vida pessoal que afeta o seu trabalho", disse Brian Kropp, vice-presidente da empresa de assessoria Gartner.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Business Group on Health, grupo que representa as grandes empresas, 53% dos seus membros planejam expandir opções de assistência virtual em 2021, ao passo que 36% pretendem expandir o acesso dos empregados a serviços de saúde mental.

"Observamos um crescimento astronômico a cada ano dos benefícios oferecidos no campo do teleatendimento à saúde, como também uma expansão na oferta em termos da saúde mental", disse Ellen Kelsay, diretora executiva do grupo.

No caso dos empregados do Expedia Group, eles terão várias opções de benefícios em 2021 à escolha, incluindo o acesso à plataforma de terapia online Talkspace, disse Sarah Gavin, vice-presidente de comunicações globais. Os funcionários também terão acesso a provedores de tratamento no campo da saúde mental que não fazem parte da rede de assistência médica, segundo a companhia.

Mas num ano em que a economia vem vacilando, muitos dos novos benefícios oferecidos são "voluntários" não implicam gastos para os empregadores, que apenas oferecem o acesso aos serviços a preços mais baixos do que um empregado pagará se buscar por conta própria.

"A maior mudança que vimos foi o acréscimo de benefícios voluntários, porque não têm nenhum impacto sobre o orçamento", disse Dani McCauley, vice-presidente sênior da empresa de consultoria Aon. Ele acrescentou que a porcentagem de clientes que pesquisou e planejam oferecer essas vantagens aos funcionários dobrou ou até triplicou durante o ano passado, dependendo do auxílio oferecido.

Esses benefícios incluem um "seguro para gastos hospitalares", ou políticas "no caso de doenças críticas", casos em que os empregados pagam uma pequena mensalidade, mas recebem um montante em dinheiro ou uma soma única para ajudar a pagar as despesas caso tenham sido hospitalizados ou diagnosticados com determinadas doenças graves. Esses benefícios ficaram mais populares em meio aos temores com a pandemia, disseram os consultores, que observam que nem todas as políticas no caso de doenças graves cobrem a covid-19.

Outros benefícios

Outro benefício que vem decolando é a proteção contra roubo de identidade. O FBI e a Comissão Federal de Comércio (FTC) emitiram alertas quanto a este tipo de roubo no início do ano, depois de notícias de um forte aumento de pedidos de seguro-desemprego fraudulentos. A FTC também reportou um salto nas queixas de roubo de identidade em abril, quando começou a ser paga a primeira parcela de auxílio do governo.

À medida que a inquietação com essas fraudes aumentou e mais empregados passaram a trabalhar de casa, os patrões passaram a se preocupar mais com os riscos, disse Lydia Jilek, consultora da Willis Towers Watson, empresa de assessoria e gestão de risco.

Algumas empresas se preparam para outras consequências potenciais desse tempo extra que os funcionários estão passando em casa com suas famílias. Segundo Jilek, algumas companhias planejam ampliar os planos de seguro para despesas hospitalares, entendendo que um número maior de empregadas pode engravidar e dar à luz em 2021. "Se você sabe que está grávida por ocasião dessas novas inscrições, é sensato "adicionar essa política hospitalar para o ano seguinte", disse ela.

Alguns empregadores também passaram a cobrir gastos com terapia de casal, especialmente as grandes empresas sediadas em pequenas comunidades onde há mais funcionários casados, disse Kropp da Gartner. "Quando alguém está preso em casa aumenta a possibilidade de conflitos", afirmou.

O diretor da área de benefícios da MetLife, Todd Katz, afirma que além de disponibilizar planos de assessoria legal para os empregados, que cobrem questões como testamentos, custódia, transações imobiliárias e, em alguns casos, divórcio, a seguradora vem observando um interesse crescente nos benefícios de seguro de vida suplementares, como também em um plano de saúde para pets.

Alguns empregadores estão financiando os novos benefícios por meio de uma ligeira queda nos custos de saúde esperados este ano, segundo a Aon.

O montante gasto em indenizações médicas em 2020 deve cair, em média, uma vez que os lockdowns no começo provocaram o fechamento de provedoras de saúde ou os empregados retardaram os tratamentos ou cirurgias eletivas, segundo relatório da Aon. Embora haja alguma variação, a Aon projeta que mais empregadores que adotam o autofinanciamento - especialmente as grandes companhias que são administradas por uma seguradora externa, mas pagam os benefícios reivindicados por conta própria - gastarão menos do que o previsto em seu orçamento, por empregado, em 2020.

"Este é um fato sem precedentes", disse Tim Nimmer, diretor global de estatística em soluções de saúde da Aon.

Algumas companhias vêm usando as economias de gastos para fazer face aos seus negócios - empresas de setores mais atribulados especialmente", disse Nimmer. Mas outras vêm aplicando as economias para garantir benefícios como restituição de contribuições para planos de aposentadoria ou gastando mais com a saúde mental. No próximo ano, a Aon prevê que os seus gastos médicos aumentarão dois pontos porcentuais acima do normal uma vez que as pessoas que adiaram seus tratamentos em 2020 devem retomá-los ou os ligados à covid-19 continuarão.

A escola dos filhos

Algumas companhias também vêm oferecendo vantagens no caso do trabalho remoto e escola. A Cisco, por exemplo, começou a reembolsar seus funcionários até US$ 35 pelos gastos com serviços de internet; a PwC passou a oferecer um plano para uso ilimitado de celular de qualquer operadora; e a Okta, empresa de software de gerenciamento de identidade têm reestruturado os laptops da companhia para os filhos dos funcionários, oferecendo 10 laptops por mês para funcionários casados por meio de um sistema de loteria.

A Expedia informou seus empregados que os reembolsos de viagens, cujos valores variam de US$ 250 a US$ 750, dependendo do serviço, agora podem ser combinados com um benefício de US$ 600 e ser gasto em despesas com delivery de supermercados, aulas particulares online para os filhos, adesão a um clube de golfe e kits de testes de coronavírus ou de anticorpos.

A companhia passou a permitir que os filhos dos funcionários chamem o seu Help Desk de TI pedindo ajuda para problemas de tecnologia durante as aulas virtuais - chegando até a enviar e substituir laptops em várias ocasiões.

O serviço de Help Desk estava com uma certa folga, pois, com menos pessoas no escritório, também diminuíram as teleconferências no local. "Francamente, a ideia era criar alguma coisa para esse pessoal fazer ou então teríamos de pensar em dar uma licença para eles", disse Gabin. "Todos têm de estar presentes e ser parte da solução".

Para os pais que estão trabalhando durante a pandemia "há milhares de coisas que você tem de lidar. E se conseguem baixar para 900, já é uma vitória para os funcionários". / Tradução de Terezinha Martino

Veja também:

Igualdade racial: como formar uma empresa anti-racista?
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade