PUBLICIDADE

Carreira

Após chefe de felicidade, mercado de trabalho tem chefe de propósito

Para defender propósito da empresa, é preciso alinhar valores da marca entre stakeholders; organizações com propósito têm retorno financeiro 5 vezes o valor da média, diz pesquisa

23 jun 2021 14h16
ver comentários
Publicidade

Buscar sentido e satisfação, para além de ganhar dinheiro, tem se tornado cada vez mais importante no mundo corporativo. Segundo pesquisa realizada em agosto do ano passado pela consultoria McKinsey, 70% dentre 1.021 entrevistados definem seu propósito pessoal por meio do trabalho. Numa enquete realizada pelo Estadão com usuários do Linkedin sobre emprego, bem-estar e felicidade, "encontrar o propósito" foi a resposta mais votada por 819 pessoas. Para elas, o propósito seria um dos aspectos fundamentais para ser feliz no trabalho.

Mas antes de falar sobre a importância da Chefia em Propósito - do inglês Chief Purpose Officer (CPO) - é preciso ter em mente o que significa esse conceito. De acordo com Hugo Bethlem, que passou a ocupar esse cargo na Bravo GRC, "o propósito é a razão de existir de uma empresa, é a essência daquilo que a organização faz", diz.

Nesse sentido, a principal tarefa da chefia de propósito é educar e orientar os membros de uma equipe de trabalho para que todos estejam alinhados com a visão, a missão e os valores da empresa. A função, no entanto, não se limita em alinhar chefias e funcionários, mas conectar todas as partes que se relacionam com a organização: fornecedores, clientes, comunidade, acionistas e investidores.

Isso começa já na contratação de novos funcionários. Bethlem sugere que, em vez de focar em competências puramente técnicas, é preciso se atentar, principalmente, ao comportamento, ao caráter e ao alinhamento entre colaboradores e os valores e o propósito da organização. O assunto vai também ao encontro de conceitos como employer branding, ou marca empregadora, sobre como a empresa é vista no mercado a partir de suas práticas.

"Muitas pessoas continuam contratando por competência e depois demitem por comportamento. Estamos invertendo esse processo na Bravo e propomos que as empresas invertam", afirma ele, que tem mais de 40 anos de experiência em gestão de empresas como Grupo Pão Açúcar, Hopi Hari e Carrefour.

Melhores resultados em pesquisa

Organizações movidas por um propósito maior - como trazer significado e impacto positivo no mundo - têm retorno financeiro de até 5,5 vezes a média das empresas que têm ações na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), de acordo com uma pesquisa feita pela Humanizadas, startup especializada no diagnóstico da qualidade das relações entre organizações e stakeholders. A pesquisa, realizada neste ano, levantou dados de 36.868 stakeholders no Brasil e comparou empresas com Ratings A (alto estágio de maturidade) versus Ratings C (média do mercado brasileiro).

Em relação às empresas analisadas, as que tiveram melhores resultados têm o seguinte perfil: maior alinhamento de propósito e valores com a equipe, comprometimento com o desenvolvimento humano e atuação a serviço das pessoas, da sociedade e do planeta. Empresas movidas por seu propósito também obtiveram as melhores médias em categorias como reputação da marca, bem-estar de lideranças e colaboradores e performance ESG (sigla para princípios ambientais, sociais e de governança).

  • Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Pedro Paro, fundador e CEO da Humanizadas, acredita que as empresas do século 21 devem cada vez mais se atentar às questões intelectuais, como capital cultural, humano e social. Ele analisa que isso será cada vez mais necessário para garantir a sustentabilidade dessas empresas. No entanto, Paro alerta que, na hora de expressar qual é o seu sentido, é preciso tomar cuidado para não cair no que considera uma "inflamação do propósito".

Segundo ele, isso acontece quando todo o discurso gira em torno do propósito sem aterrissar em questões práticas do dia a dia e do modelo de negócio. "Há o risco disso se transformar em algo semelhante ao greenwashing, ou seja, quando o que se fala é diferente do que se pratica", diz. "Hoje em dia, isso está cada vez sendo mais notado, e com muita atenção."

O perfil da chefia de propósito

De acordo com Graziele Neves, fundadora da The Lighthouse, consultoria especializada em desenvolvimento profissional e humano, o cargo de chefia de propósito é recente e está entrelaçado com soft skills, as habilidades comportamentais, como empatia, boa comunicação e flexibilidade.

"Você é um funcionário que gosta de gente? Tem visão estratégica, capacidade de ser influente e um bom ouvido?", questiona Graziele. Para ela, a chefia de propósito está constantemente ouvindo pessoas e precisa saber convergir essas demandas, necessidades e vontades. "Alguém que tem essas qualidades é a pessoa de ouro para se transformar numa chefia de propósito", diz.

De acordo com Paro, mais do que uma questão de idade, o cargo tem a ver com estágio de maturidade e nível de consciência. "O ideal é que seja uma pessoa que tenha uma compreensão mais ampla do negócio, uma visão mais estratégica e alguém que consiga inspirar outras pessoas", diz.

Para Hugo Bethlem, ter inteligência emocional é um pré-requisito para a chefia de propósito. "É uma posição que vai trazer de volta para o mercado muitos executivos com grande experiência, que já lideraram muitas pessoas e que ao longo da sua carreira aprenderam uma coisa muito importante: empatia e autoconhecimento", diz.

Como despertar o propósito

"O propósito pessoal não precisa ser nada grandioso, você não precisa ser Irmã Dulce nem Gandhi para deixar um legado importante", afirma Bethlem. Ele explica que o propósito pessoal tem muito a ver com o Ikigai japonês, um conceito que ajuda a identificar a razão de alguém existir.

"Quando alguém faz algo bem feito e isso se conecta com atividades que essa pessoa gosta de desempenhar, é ali que reside a sua paixão", diz. "É importante ter a sensação de ao trabalhar em algum lugar, encontrar reflexo nisso'', completa.

Mas como ter um olhar mais sensível para o propósito pessoal e corporativo? Graziele, que é especializada em liderança e desenvolvimento de equipes de alta performance, dá algumas dicas para exercitar o autoconhecimento e ajudar a despertar seu propósito em relação ao mercado de trabalho.

  1. É preciso ter um olhar profundo sobre o que você gosta de fazer. Questione-se sobre como você é lembrado pelas pessoas. Quando você é elogiado, é elogiado pelo quê? Que atividades você faz hoje em que se sente energizado, alegre, e que não vê as horas passarem? Responder a essas perguntas ajuda a trazer maior nitidez sobre as atividades que você mais gosta de desempenhar.
  2. E agora quais são aquelas coisas que não te trazem felicidade e não são compatíveis com o caminho que você quer seguir? Isso pode te ajudar a entender melhor quais cargos e empresas não combinam com você.
  3. Na empresa em que você trabalha, identifique se existem outras áreas em que você gostaria de participar, ou que façam atividades que você gosta. Tente fazer parte desses projetos e descobrir novas possibilidades de trabalho.
  4. Caso você esteja a procura de emprego, em vez de pensar em cargos, busque lugares que se alinhem com seus valores e pela forma como se posicionam. No final do dia, é o que fará você se sentir bem, sem passar por cima daquilo que acredita.
Estadão
Publicidade
Publicidade