Alunos brasileiros conquistam torneio internacional de robótica no Uruguai

Seis equipes do Brasil saíram premiadas na competição com 700 estudantes de diferentes países; time de Birigui (SP) foi o campeão

6 jun 2019
12h34
  • separator
  • 0
  • comentários

SÃO PAULO - Alunos do Serviço Social da Indústria (Sesi) de Birigui (SP) foram campeões do Aberto Internacional de Robótica do Uruguai. A equipe Big Bang conquistou o 1º lugar no Champions Award. A competição foi realizada entre os dias 30 de maio de 1º de junho, em Montevidéu. Os paulistas também ficaram em primeiro lugar na categoria Desafio do Robô.

Estudantes do Sesi de Birigui (SP) conquistaram o 1º lugar no Aberto Internacional de Robótica do Uruguai
Estudantes do Sesi de Birigui (SP) conquistaram o 1º lugar no Aberto Internacional de Robótica do Uruguai
Foto: Sesi/ Divulgação / Estadão

A disputa contou com 700 estudantes de países conquistou como Alemanha, Argentina, Austrália, Bolívia, Chile, Colômbia, Coreia, Espanha, Estados Unidos, da Estônia, França, Grécia, Israel, Itália, México, Nigéria, Romênia, Rússia, África do Sul e Turquia.

Os estudantes brasileiros que participaram do torneio têm entre 9 e 16 anos e garantiram vagas para a disputa durante o Festival Sesi de Robótica, em março, no Rio de Janeiro.

"Nós ficamos muito felizes de ter sido campeões gerais. Os alunos amam o que fazem, nós nem chamamos de trabalho, para nós é um prazer estar dentro da robótica", afirmou Valter Júnior, 37 anos, analista de suporte em informática e técnico da equipe Big Bang.

Ele explicou que este ano o tema da temporada era como resolver problemas físicos e emocionais dos astronautas nas viagens espaciais. "E nós conseguimos, com nosso projeto, barrar a radiação cósmica". De acordo com o professor, com elementos leves e baratos, os alunos foram capazes de barrar em 90% a radiação cósmica.

Alunos brasileiros que participaram do torneio têm entre 9 e 16 anos e garantiram vagas para a disputa durante o Festival Sesi de Robótica
Alunos brasileiros que participaram do torneio têm entre 9 e 16 anos e garantiram vagas para a disputa durante o Festival Sesi de Robótica
Foto: Sesi/Divulgação / Estadão

"Nós vimos que dentro das naves os astronautas sofrem muito com a radiação e não usam nenhuma proteção. Nós conseguimos fazer um traje bem leve, para ele usar dentro da nave, e realmente isso ajudou bastante (a conquistarem a vitória), porque foi uma solução inovadora. O nosso projeto foi testado por um físico nuclear e também na Unicamp e o retorno foi muito positivo. Essa iniciação científica fez a diferença".

Outros prêmios

Em segundo lugar na classificação geral do Aberto do Uruguai ficaram os estudantes da equipe Tecnoway, da Rede Caminho do Saber, de Caxias do Sul (RS). O time também conquistou o 1º lugar no prêmio Desempenho do Robô.

"Organização, metas, busca pela melhoria do nosso robô e o trabalho em equipe foram essenciais para esse resultado", afirmou a estudante Luiza Valença Colvara, 13 anos, da Tecnoway.

Para a técnica da equipe gaúcha, Alexandra Colvara, os estudantes encerram a temporada com chave de ouro. "Estamos muito felizes por todo esse reconhecimento do nosso trabalho. Fomos recebidos com festa pelos pais dos alunos e a comunidade escolar em Caxias do Sul".

A equipe Robocamb, do SESI de Alagoas, ficou em primeiro lugar no prêmio Gracious Professionalism, que reconhece os estudantes que compartilham ideias e interação com outras equipes.

"O prêmio caracteriza uma equipe que é cordial e responsável por um conhecimento para um bem coletivo. É preciso demonstrar respeito, inclusão e uma competição amigável dentro e fora do torneio. Na equipe Sesi Robocamb buscamos a prática dos Core Values diariamente e como consequência conquistamos um prêmio de primeiro lugar em uma das áreas dos core values", contou João Victor Dantas, 21 anos, técnico da equipe Sesi Robocamb.

Os core values são valores humanos que descrevem um modo de atuar em conjunto e que valoriza o respeito mútuo e o trabalho de alta qualidade. Entre esses valores estão a descoberta, a inovação, o impacto, a inclusão, o trabalho em equipe e a diversão.

Os estudantes da equipe Biotech, do SESI de Barra Bonita (SP), ficaram em primeiro lugar no prêmio de Programação. O primeiro lugar em Trabalho em Equipe ficou com os jovens da X-Force, do SESI de Bauru (SP). A equipe Legofield, do SESI de Brasília, também ficou em 1º na categoria Design do Robô e os gaúchos da Galilegos, do Colégio Santa Inês, de Porto Alegre, ainda conquistaram o 3º lugar no prêmio de Programação.

Apenas este ano, os brasileiros já conquistaram prêmios no Mundial de Robótica, em Houston (EUA), no torneio de Arkansas (EUA) e no Aberto Internacional da Turquia. Equipes do Brasil participam ainda de mais três competições internacionais: Aberto do Líbano (junho), Aberto da Ásia, e o Torneio de West Virginia (EUA), em julho.

Para o diretor de Operações do SESI, Paulo Mól, os resultados demostram a excelência dos brasileiros em robótica educacional. "As conquistas dos nossos estudantes em torneios internacionais como este do Uruguai e também nos Estados Unidos mostram que o SESI está no caminho certo ao investir em robótica. Estamos formando profissionais que estarão prontos para o futuro", avalia.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade