1 evento ao vivo

Doria articula pré-candidatura de ex-secretária de Crivella no Rio

Governador defende que PSDB dispute a capital fluminense em 2020; ideia é lançar nome de gestora Mariana Ribas

26 ago 2019
05h11
atualizado às 10h23
  • separator
  • 0
  • comentários

RIO - Após filiar ao PSDB o empresário carioca Paulo Marinho, apoiador da campanha de Jair Bolsonaro, o governador João Doria pretende agora patrocinar a candidatura de uma ex-secretária municipal do prefeito Marcelo Crivella (PRB) como nome tucano para a Prefeitura do Rio em 2020.

A estratégia de Doria, que já trabalha para se viabilizar como candidato ao Planalto em 2022, tem dois objetivos: busca investir em um reduto bolsonarista, o Rio, e ganhar espaço em um Estado, o terceiro maior colégio eleitoral do País, no qual os tucanos não têm força.

Marinho, que é suplente do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, já comanda o PSDB no Rio. O nome apoiado pelo empresário e por Doria para disputar a prefeitura fluminense é o da gestora Mariana Ribas, que até o início do mês era secretária de Cultura de Crivella.

Além de Marinho, Doria vem conversando com Gustavo Bebianno, que esteve na semana passada no Palácio dos Bandeirantes. O ex-secretário-geral da Presidência da República está próximo do PSDB, mas também negocia com o DEM.

Em outra frente, Doria comandou a negociação com o deputado Alexandre Frota, que vinha sendo assediado por vários partidos após ser expulso do PSL por criticar Jair Bolsonaro. O governador organizou um grande ato político na semana passada para anunciar a chegada de Frota.

O lançamento da pré-candidatura de Mariana está marcado para o dia 28 de setembro, em um evento que o PSDB esperar dar um tom nacional. A ideia é que o ato tenha a presença do governador do Rio Grande Sul, Eduardo Leite, do presidente nacional da sigla, Bruno Araújo, e do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, além de Doria.

Podcast: Quem é o apoiador de Bolsonaro que quer Doria em 2022?

A executiva nacional do PSDB interveio na seção fluminense para, a partir de 2020, alinhá-la à pré-candidatura presidencial de Doria. Em junho, em entrevista ao Estado, Marinho defendeu o nome do governador na disputa pelo Planalto. "Doria tem mais preparo que o capitão".

No sábado, ao Estado, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso endossou a tática de Doria de distanciar se Bolsonaro e afirmou que se o tucano quer ser candidato, o atual presidente "é adversário".

Na semana passada, no entanto, Doria sofreu um derrota dentro do partido. A executiva nacional do PSDB rejeitou um pedido de expulsão do deputado Aécio Neves (PSDB-MG) - o governador defendia a saída do ex-presidenciável da sigla

No Rio, a escolha de Mariana também gerou críticas. Para tucanos mais antigos, ela é desconhecida do eleitorado e a decisão ignorou o diálogo. A nova direção defende a opção. "Não existe ninguém, não existem quadros (no PSDB do Rio)", diz Marinho, explicando por que Mariana foi convidada. Segundo ele, foi Doria quem deu orientação para que mais jovens e mulheres fossem chamados para a legenda.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade