0

Mercado Imobiliário 2019: quais são as tendências e previsões?

20 mar 2019
12h42
  • separator
  • comentários

O tão esperado crescimento do mercado imobiliário em 2019 finalmente parece estar consolidado.Apesar de ainda ser o início do ano, os números do primeiro trimestre são animadores.

Foto: DINO / DINO

Em fevereiro a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) divulgou um aumento de 30% na compra e construção de imóveis em 2018 em relação ao ano anterior.

No total, segundo a entidade, foram mais de 228 mil financiamentos, sendo R$ 6,05 bilhões com recursos da poupança só em dezembro do ano passado.

De acordo com o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), esse número é 24,1% maior do que o acumulado em novembro e 64,4% a mais do que no mesmo período de 2017.

Segundo os dados do SBPE, foram totalizados R$ 57,5 bilhões na compra e construção de imóveis durante todo o ano de 2018, 33% além do gasto em 2017.

Para os especialistas, esses índices significam o fim definitivo do biênio negro do setor e o franco crescimento do mercado imobiliário em 2019.

Números de 2018 superam toda a apuração toda a apuração do período de crise

Considerada termômetro da economia brasileira, a construção civil sinaliza uma sólida retomada de crescimento do mercado imobiliário em 2019 para os especialistas.

Os Indicadores da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), por exemplo, mostram 30,1% de aumento nos lançamentos residenciais no primeiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período de 2017. Nas vendas, por outro lado, esse índice foi de 23%.

Só em São Paulo, a Pesquisa do Mercado Imobiliário promovida pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação) mostrou que foram comercializadas 29,9 mil novas unidades em 2018, 26,7% a mais do que em 2017.

Para a entidade, só esses números de 2018 já são suficientes para classificar o ano como de crescimento: eles superam toda a apuração referente ao período entre 2014 e 2017.

Os números estão alinhados com os indicadores da Empresa Brasileira de Estudo de Patrimônio (Embraesp). De acordo com eles, a quantidade de unidades lançadas também foi superior à média histórica da capital paulista (30 mil por ano).

No entanto, o mais interessante é o movimento crescente. Das 32.762 unidades lançadas, só as de novembro e dezembro correspondem a 42% do total.

Crescimento deve se manter estável no mercado imobiliário em 2019

Por outro lado, levantamento realizado pela Fundação Getúlio Vargas aponta que, para atender à demanda habitacional em todo o Brasil, será preciso haver cerca de 14 milhões de novas moradias até 2025.

A expectativa dos especialistas é que o crescimento se mantenha no mercado imobiliário em 2019, ainda que de forma estável - e, por isso mesmo, duradoura.

Segundo eles, não deverá haver um novo boom imobiliário, mas um crescimento consistente e contínuo.

Para o Secovi-SP, os preços deverão se manter no ritmo de crescimento de 2018, com um Valor Global de Vendas (VGV) em torno de 10%.

Para São Paulo, a entidade aponta como principais entraves para um crescimento maior a limitação de uso dos recursos do FGTS para novos financiamentos e os altos preços dos terrenos.

Melhor hora para investir 

A expectativa do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS) também é bastante parecida. Para a entidade, uma retomada mais forte do deve ocorrer no mercado imobiliário em 2019 a partir do início do segundo semestre.

Para o Sindicato, o mercado ainda está retraído por conta das condições econômicas da população, que atualmente ainda não tem dinheiro, segurança ou estabilidade para assumir dívidas a longo prazo.

Por isso mesmo, de acordo com o Sinduscon-RS, agora é a melhor hora para quem quer investir, já que os preços ainda estão baixos.

No entanto, estima-se que o melhor período para investimento dure apenas mais alguns meses. A exemplo da bolsa de valores, que já foi às alturas, o mesmo deverá ocorrer com os imóveis - e em um futuro bastante próximo.

Os especialistas consideram que as empresas da construção civil estão apenas "esquentando as máquinas" e que, com a recuperação econômica, logo os preços dos imóveis também serão recuperados.

Fim de ciclo de retração econômica

De acordo com a Coordenadoria de Projetos Imobiliários da Fundação Getúlio Vargas, 2018 significou o fim de um ciclo de 5 anos de retração econômica.

Com isso, essa é a melhor época para garantir um bom investimento com um retorno considerável em um relativo curto espaço de tempo.

De acordo com Luiz Carlos Kechichian, CEO da Mirantte e corretor de imóveis e empresário na área imobiliária há mais de 40 anos, diversos indicadores levam à certeza de uma mudança de mercado, tanto de vendas como de locação.

"Nos dois primeiros meses deste ano as agências Mirantte registraram 8 mil clientes cadastrados à procura de imóveis para compra, sendo que 40% tiveram como origem o site da própria Mirantte e outros portais onde a imobiliária publica anúncios.

Outros 40% foram oriundos de placas e faixas e, 20% de outros clientes de sala, anúncios em jornais e revistas e etc. No total, mais de 4 mil imóveis entraram no cadastro para venda e mais de 1.600 placas foram colocadas nas ruas de São Paulo para venda e locação", afirma.

Segundo Kechichian, os mais céticos até podem falar que só isso não é suficiente, mas há outros fatores envolvidos que atestam o crescimento do setor.

"Somado a outros indicadores, como o aumento do ticket médio dos imóveis comercializados e do número de vendas concretizadas, tudo indica a promessa de um 2019 de bons negócios para todo o mercado imobiliário", afirma.

Kechichian afirma ainda que a esperança do brasileiro também é sentida na demanda em outros países onde a Mirantte atua, Flórida (USA) e Portugal.

É bom lembrar que para conseguir o melhor negócio o investidor deve contar com uma assessoria especializada. Dessa forma, é possível ter a segurança necessária durante todo o processo, aproveitando as melhores oportunidades do mercado imobiliário em 2019.



Website: http://www.mirantte.com.br/

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade