PUBLICIDADE

Empresas brasileiras de turismo buscam alternativas para driblar a crise causada pela Covid-19

Com a disseminação do coronavírus, muitas empresas do setor estão tendo que se reinventar

8 mai 2020 10h25
ver comentários
Publicidade

Empresários do ramo hoteleiro, companhias aéreas e sites de pesquisas de viagens continuam a prestar seus serviços por meio da solidariedade, ofertas e pacotes promocionais. Sempre atentos aos cuidados com a higiene para manutenção da saúde de clientes e colaboradores.

Foto: Photo by Anna Shvets / DINO

Alguns hotéis têm recebido profissionais de saúde que não podem voltar para suas casas por conta da pandemia, e também idosos que não possuem moradia adequada. É o caso do Brasília Palace Hotel, que fica no Distrito Federal e hospeda, no momento, 300 idosos. Ao integrar a iniciativa "Hotelaria Solidária", o empresário do ramo hoteleiro recebe, do governo local, pela estadia dos idosos, uma tarifa solidária que não corresponde ao valor que seria cobrado de um hospede. Dessa forma, todos saem ganhando. 

Enquanto isso, empresas aéreas estão facilitando a remarcação de voos, redobrando os cuidados de higiene, recomendando o uso de máscaras e indicando o atendimento remoto.

Pacotes promocionais também estão sendo ofertados nos sites de agências de viagens e companhias aéreas. Por exemplo, a Azul, que lançou, recentemente, o "Bilhete Viagens". São pacotes de viagens que podem ser usados de julho de 2020 a abril de 2021. Ou seja, você pode esperar a pandemia passar para depois curtir as férias dos sonhos em lugares como Maceió, Gramado, Foz do Iguaçu, Porto Seguro e Natal.

Trabalho remoto

A empresa de pesquisa de passagens aéreas e serviços de turismo Voo.com.br teve que se ajustar a nova realidade. A Voo atua de forma comprometida com o meio ambiente e doa parte dos lucros para ONGs engajadas com práticas sustentáveis e de preservação ambiental. "Os clientes continuam sendo atendidos de maneira remota. O momento é de ficar em casa, uma oportunidade para planejar a próxima viagem. Você pode aproveitar esse tempo para pesquisar lugares, hotéis, programação especial, gastronomia e muito mais", sugere a cofundadora da Voo, Bárbara Resende.

Segundo Bárbara, devido à redução na aquisição de pacotes de viagens, muitas empresas de turismo estão com promoções, como comprar agora pagando menos e viajar depois. Mas a empresária alerta. "Como vivemos um período de incerteza, por causa da pandemia, ao adquirir um pacote, o consumidor deve saber que pode acontecer da viagem ser remarcada. Se não tiver problema com isso, aproveite! O momento é de queda nos preços", explicou Bárbara.    

Desafios

Em entrevista, o presidente executivo da Confederação Nacional do Turismo (CNTur), Wilson Luís Pinto, ressaltou que a previsão é de que a retomada plena do setor só aconteça no início de 2021. Ele também destacou a análise feita pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA - International Air Transport Association). O estudo destaca que a queda na demanda por viagens aéreas devido à pandemia poderá afetar cerca de 25 milhões de empregos em diversas áreas.

Para Wilson Luís a recuperação da economia deverá ocorrer de forma integrada. "O setor de turismo e suas atividades impactam 32 outros segmentos econômicos. Por suas características, a atividade precisa ser pensada de forma abrangente. O turismo, por exemplo, não acontece sem o transporte aéreo e rodoviário, assim como de outros setores que interagem e são necessários para ele acontecer, como a hotelaria, gastronomia e muitas outras áreas que fazem parte da sua cadeia produtiva. Por isso, o que temos defendido é que o melhor estímulo à atividade turística é fazer o país sair da crise", afirmou Wilson.

Atenção ao período pós-pandemia!

Após a pandemia, o mundo não será o mesmo e o empresário deve estar atento para se adequar às novidades e continuar ativo no mercado.

Recentemente, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, afirmou, durante uma videoconferência ao BTG Pactual que a retomada do setor no país, se dará por meio do turismo doméstico. Isso quer dizer que pessoas que moram no Brasil visitarão lugares dentro do próprio país.

Segundo o ministro, será elaborado um plano de promoção nacional do turismo brasileiro, incentivando a população a fazer o turismo doméstico e conhecer a diversidade de destinos do país. Os empresários devem atentar a essa nova tendência e buscar alternativas para fazer parte desse novo cenário.

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
Publicidade
Publicidade