0

Diretor mineiro engrossa lista de profissionais de audiovisual rumo aos Estados Unidos

Com vídeos de sucesso para Anitta e Claudia Leite, Mess Santos tem planos de conquistar Hollywood

7 nov 2018
16h42
atualizado em 8/11/2018 às 12h54
  • separator
  • comentários

Atravessar fronteiras e filmar em Hollywood é o sonho de muitos profissionais de audiovisual no Brasil. Filmes nacionais que conciliam sucesso de público e de crítica funcionam como um trampolim para seus diretores, que entram na mira dos estúdios internacionais. Foi assim com José Padilha, que caiu nas graças da Netflix depois de Tropa de Elite, tornando-se o brasileiro com maior número de produções no mercado norte-americano. Tem ainda os casos de Fernando Meirelles, catapultado pelo sucesso de Cidade de Deus, e Walter Salles com Central do Brasil, indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Agora, além de cineastas, o Brasil exporta uma nova safra de videomakers com milhões de visualizações no YouTube.

Foto: movie3 / DINO

O diretor mineiro Mess Santos, com mais de 400 videoclipes gravados em 22 países, incluindo os hits Você Partiu Meu Coração, de Nego do Borel, com Anitta e Wesley Safadão, e 1 em um milhão, de Simone e Simaria, acaba de receber passe livre na terra do presidente Trump, conhecida pelos critérios rígidos em processos de imigração, seja para trabalho fixo ou temporário. A concessão foi dada através do chamado visto O-1, dedicado a profissionais com talentos extraordinários. "Viajo muito para atender a demanda, nem sei mais onde é minha casa", brinca o videomaker que, só no ano passado, aterrissou mais de dez vezes nos Estados Unidos executando trabalhos para Alexandre Pires e Dennis DJ, entre outros."Escolhi passar uma temporada na Califórnia para desbravar Hollywood e as lindas praias do Pacífico", diz. Agora ele pode entrar e sair do país sem burocracia e nos conformes com as leis e impostos americanos.

Segundo a advogada brasileira radicada na Califórnia, Dra. Flávia Santos Lloyd, que orientou Mess no processo, muitos profissionais de audiovisual no Brasil possuem perfil para reivindicar o visto americano. "Candidatos com carreira sólida, que somam prêmios, cobertura de imprensa e participação em associações de alta qualificação, tem grandes chances de serem aprovados para o O-1", afirma a advogada especializada em processos de imigração entre os dois países. O visto permite residência fixa nos Estados Unidos pelo período de três anos, com possibilidade de renovação e até obtenção futura de green card.

"A versatilidade do brasileiro, habituado a desempenhar vários papéis em produções de baixo orçamento, é o nosso maior trunfo no mercado americano", diz o paulistano Fabiano Caza, que vive em Los Angeles desde 2015. Também titular do visto O-1, Caza atua como diretor, editor, cinegrafista, produtor e colorista em projetos que vão de curta-metragens até comerciais, videoclipes e programas de TV, incluindo a direção do Planeta Brasil, programa da Globo Internacional que revela a história de brasileiros em solo norte-americano. "Por outro lado, os americanos nos ensinam as vantagens da especialização nesse setor", pondera Caza, que trabalhou com Mess Santos no clipe Pode Ter, da cantora Claudia Leitte, outra expatriada brasileira em Los Angeles.

"Meu objetivo é unir a experiência que adquiri no Brasil com os recursos que só existem nos Estados Unidos", diz Mess que se prepara para filmar o novo videoclipe de MC Kevinho, pela Sony Music, além de dois curtas-metragens com a participação de estrelas de Hollywood, projeto que ele mantém em sigilo a pedido do contratante americano.



Website: https://www.santoslloydlaw.com/
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade