0

Aumento de ICMS em São Paulo provoca manifestações em diversos setores

Analistas apontam algumas desvantagens de desoneração do imposto para algumas áreas

27 jan 2021
09h29
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A alteração nas alíquotas do ICMS provocada pelo decreto nº 65.253/2020, formulado pelo governo do Estado de São Paulo, causou grande discussão e protestos entre diversos setores da sociedade. Os principais argumentos contra a medida ressaltam a carga tributária excessiva que já atinge os setores de atividade e o impacto desse ajuste sobre os preços de produtos que compõe a cesta de consumo das famílias.

Foto: Shutterstock / DINO

Apesar do cenário de crise profunda, que dificulta qualquer discussão sobre aumento de impostos, o decreto coloca luz sobre um debate importante e inevitável: as políticas de isenções e desonerações contribuem para o crescimento e desenvolvimento econômico? No texto constitucional foi determinado que o maior imposto do país, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), responsável por mais de 20% da Carga Tributária Nacional e arrecadado pelos estados, deveria financiar as políticas públicas definidas pelo pacto federativo.

Dos recursos arrecadados com o ICMS pelos estados, 12% (no mínimo) deveria ser aplicado em saúde e 25% (no mínimo) destinados à educação. O restante, além de contribuir com o financiamento dos investimentos na construção e recuperação de equipamentos públicos dos estados, seria compartilhado com os 5.570 municípios da federação, por meio das transferências constitucionais denominada de cota parte, destinadas pelos governos a seus municípios, e também parte para o FUNDEB. "Em outras palavras, podemos afirmar que o ICMS é a maior receita orçamentária dos estados e de vários municípios brasileiros, assegurando o acesso da população brasileira à saúde e educação básica", explica Saulo Abouchedid, professor de macroeconomia da Facamp.

Este é um dos fatores que explicam a relevância do estado paulista na partilha - São Paulo responde, em média, por mais de 30% da geração do valor adicionado gerado no país e, portanto, dos recursos do ICMS distribuídos entre as esferas de governo da federação. A importância, portanto, do ICMS paulista dá a dimensão dos impactos negativos da queda estrutural do imposto entre 2013 e 2019 (-11%) sobre as finanças de São Paulo e do país.

A pandemia agravou este cenário. "Sabemos que diante das consequências da pandemia do Covid-19, os estados e municípios brasileiros sofrem de forma generalizada com uma queda da atividade econômica e aumento da inadimplência, elevando a importância das transferências constitucionais do ICMS no orçamento público para financiar as demandas da pandemia e da infraestrutura urbana das cidades", ressalta Fernanda Serralha, professora de economia da Facamp.

Tabela: Arrecadação ICMS Estado São Paulo - anos selecionados

Anos

2000

2005

2010

2013

2015

2016

2017

2018

2019

2020*

2013/2019

TOTAL DA ARRECADAÇÃO

101.257

116.319

166.417

175.757

166.936

150.199

148.624

153.992

157.206

122.424

-11%

Fonte: Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo. Elaboração NEC/FACAMP, em R$ milhões, corrigidos pelo IPCA/IBGE em dez 2020

*até outubro/2020

A opção pelas desonerações como instrumento de política pública tem como objetivo fomentar a geração de emprego e renda em determinados setores, aumentar a competitividade e promover redistribuição da renda por meio da isenção de alíquotas em setores fundamentais para a população mais pobre. "Porém, como avaliar se a desoneração gerou benefícios à geração de renda e emprego ao invés de aumento das margens de lucros das empresas? Por exemplo, o setor industrial, amplamente beneficiado com as desonerações, perdeu o protagonismo na arrecadação de ICMS a partir de 2015 para os setores de comércio e serviços e ainda está distante dos níveis de produção e emprego verificados em 2014, de acordo com o IBGE", segundo o professor Saulo. "Há que se considerar também as transformações (tecnológicas e geográficas) dentro da indústria, que alteraram a composição dos setores industriais no estado em relação à arrecadação de ICMS."

Essas mudanças deveriam servir para uma revisão responsável das desonerações. "Para evitar uma guerra de narrativas como a atual, é necessária uma revisão de prazos e exigências de contrapartidas para cada setor - por exemplo, desenvolvimento de inovação, uso de energias renováveis e geração de emprego e renda", explica a economista Fernanda Serralha.

Segundo os analistas, a gestão dessas contrapartidas deverá garantir a aplicação correta do princípio da seletividade, desonerando setores-chave para o desenvolvimento econômico e atenuando, portanto, os efeitos regressivos do ICMS - no qual o pobre paga proporcionalmente mais imposto que o rico. É natural que o aumento da alíquota seja repassado para os preços, porém esse efeito é minorado com a desoneração de setores mais presentes na cesta de consumo das famílias que pertencem às faixas menores de renda. Ademais, o argumento do aumento de preços ignora o efeito das desonerações sobre as políticas públicas (especialmente saúde e educação), que dependem fundamentalmente dos recursos da arrecadação do ICMS. "Portanto, devemos analisar o debate acerca das isenções do ICMS a partir da ótica da harmonia distributiva. As desonerações não podem ser utilizadas para a perpetuação dos interesses de alguns, em detrimento de políticas públicas essenciais para o enfrentamento da crise econômica e social", conclui Saulo Abouchedid.



Website: http://www.facamp.com.br

Veja também:

Foragido da Justiça é detido pela PM com cocaína, no Bairro Country
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade