0

Arie Halpern: IA, reconhecimento facial e impressão 3D a serviço da beleza

10 jun 2019
20h30
  • separator
  • 0
  • comentários

O mercado de produtos de beleza, recentemente sacudido pela compra da Avon pela Natura, entrou de vez na era da customização. Para adaptar produtos às características dos consumidores, grandes companhias estão adotando tecnologias de inteligência artificial, reconhecimento facial, realidade aumentada e até impressão 3D.

Foto: DINO / DINO

Usando uma plataforma de inteligência artificial, O Boticário está lançando dois perfumes especialmente criados para os millennials. A tecnologia, desenvolvida numa parceria da IBM com a alemã Symrise, especializada em aromas e fragrâncias, foi batizada Phylira, numa alusão à deusa grega do perfume. Com uma base de dados de 1,7 milhão de fórmulas e informações como volume de vendas por país e faixa etária, a ferramenta define as combinações para o público desejado.

Na Escócia, um engenheiro biomédico também desenvolveu um dispositivo inusitado: um sistema de controle que analisa as condições da pele para definir a quantidade de produto a ser usada. A partir da imagem na tela do smartphone, o app mede a hidratação da pele do usuário; e usando o GPS, ele obtém informações como clima, temperatura e umidade local. O resultado é enviado para o dispositivo, que dispensa a quantidade ideal do produto contido no frasco. A tecnologia é destinada aos fabricantes de cosméticos, que podem programá-lo de acordo com as características de cada produto. O sistema foi desenvolvido para medicamentos de uso tópico, mas acabou encontrando aplicação no segmento de beleza.

Nem tudo é realmente inovador

"O setor experimenta uma profusão de novidades. O grande desafio é identificar quais são realmente inovadoras e capazes de proporcionar benefícios relevantes aos consumidores", alerta o especialista em disrupção Arie Halpern. Ele também destaca que devido aos custos elevados, muitas delas acabam sendo viáveis apenas para uma pequena parcela da população.

Exemplos não faltam. Na China, uma marca europeia de produtos para cabelo, em parceria com uma plataforma e e-commerce, analisa em laboratório os fios de cabelos enviados pelas clientes. A partir da análise e das respostas de um questionário online, elas recebem produtos personalizados em duas semanas. Há outros anúncios recentes, como um scanner digital que registra a tonalidade da pele e com o uso de um algoritmo escolhe a melhor opção de cor de base entre milhares de tons e prepara o produto na hora, e até uma impressora 3D que, com uma câmera minúscula, escaneia o rosto, enquanto um microprocessador interpreta os dados e uma microimpressora aplica pequenas quantidades de base para disfarçar sinais e marcas.



Website: http://www.ariehalpern.com.br/ia-reconhecimento-facial-e-impressao-3d-a-servico-da-beleza/

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade