0

A palavra fora do lugar: escritores refugiados e em risco - ciclo de encontros internacionais no CCBB-RJ

8 ago 2018
14h29
atualizado às 17h46
  • separator
  • comentários

Em julho, o congolês Felix Kaputo completou 1 ano de residência no Brasil, na qualidade de primeiro escritor refugiado  acolhido pelo país,  através da UFMG. Ele virá ao Rio de Janeiro participar em  15 de agosto do ciclo "A palavra fora do lugar: escritores refugiados e em risco"  no CCBB-RJ

Foto: DINO / DINO

Felix Kaputo veio para o Brasil mediante acordo entre o ICORN, órgão internacional criado por S. Rushie  para proteger escritores em risco, em convênio com Cabra (Casas Brasileiras).

São ao todo 12 anos de exílio de sua terra natal, a República Democrática do Congo, onde esteve preso.

A ideia é que a vinda de Felix Kaputo desperte o interesse de outras instituições em acolher artistas em risco - são cerca de 1000 cadastrados.

Kaputo é pesquisador sobre África, em particular no campo da opressão em relação às mulheres, HIV e religião comparada.

Felix Kaputo nasceu na República Democrática do Congo, a qual, após ser detido ilegal injustamente - sendo solto após pressão da Anistia Internacional, da comunidade acadêmica internacional e da imprensa -, decidiu deixar em 2006. É professor universitário, escritor, doutor em Literatura Inglesa e Literatura Comparada, e atualmente encontra-se como residente na UFMG, devido ao acordo da universidade com a International Cities of Refuge Network (Icorn), uma rede de cidades e regiões que acolhe escritores e artistas refugiados que sofrem com a falta de liberdade de expressão em seus países de origem.

Além de falar onze línguas, o congolês já esteve em diversos países e universidades. Lecionou na New York State University, ao pesquisar aids e gênero, e em Tóquio e Kioto atuou em estudos de xamanismo e religiões africanas e japonesas, enquanto no Massachusetss College of Artsand Design ministrou aulas de literatura, filosofia africanas e arte.

Escritor de livros acadêmicos e de ficção, já publicou Power: exquisite meat! (Xlibris, 2011), Jo-Mary: black free Slave (Xlibris, 2010) e K-Triangle de la mort: descente aux enfers (Presses Universitaires du Nouveau Monde, 2013).

SOBRE O PROJETO 

O ciclo "A palavra fora do lugar: escritores refugiados e em risco" - patrocinado pelo Banco do Brasil - discute temas como: efeito do bilinguismo na escrita de autores levados ao afastamento compulsório do país natal; diálogo entre tradições literárias; confronto, no processo criativo, entre territórios físicos, culturais e linguísticos; conexão com a condição humana, em sua solidão; engajamento político.  "A literatura, como outros campos artísticos, se renova na linguagem, na quebra de convenções. Contextos extremos de violência física e psíquica são subvertidos quando o escritor não desiste, a ponto de aprender outra língua e se expressar nela, com força e criatividade" comenta Clarisse Fukelman, profa. Dep. de Comunicação Social da PUC-Rio e curadora do ciclo.

Pela primeira vez no Brasil, um projeto reúne um leque tão representativo de escritores refugiados da Ásia, África, Europa e América Latina. Do exterior participam: Atiq Rahimi,afegão radicado na França (prêmio Goncourt de literatura e prêmio Cannes como diretor);Terézia Mora (húngara radicada na Alemanha, ganhadora do prestigiado German Book Prize);e Feliz Kaputu, congolês (RDC) que inaugurou a adesão do Brasil (e da América Latina) à ICORN (International Citizens of Refugee Network). Idealizada por Samon Rushi, a rede aloca artistas em risco em lugares seguros.  O acolhimento de Kaputu foi viabilizado pela ONG CABRA (Casas Brasileiras), em associação com a UFMG.

Atiq Rahimi e Terézia Mora, cuja vinda tem o apoio respectivamente do Consulado da França no Rio de Janeiro e do Instituto Goethe, lançarão livros na ocasião.

Do Brasil, falam Julián Fuks e Carola Saavedra, que migram para o Brasil na infância, devido à ditadura em seus países natais; seus romances remetem à violência de governos ditatoriais. Os professores Marcos Gleizer (autor de Espinosa e a afetividade humana) e Claudio de Oliveira (do Grupo de Pesquisa Psicanálise, Discurso e Laço Social) discutem, da perspectiva da filosofia, o desemparo e a força de indivíduos diante de situações extremas.                                                                          "Realizar este projeto no CCBB é trazer à tona um assunto de extrema relevância mundial, a situação dos refugiados, além de dar visibilidade para a obra e cultura de cada um desses escritores.", diz Marcelo Fernandes, Gerente Geral do CCBB.  Neste sentido, complementa a professora Clarisse Fukelman, "é essencial que possamos discutir como, frente a processos migratórios forçados, a literatura oferece respostas originais que contestam a versão oficial, idílica e falsa, da globalização. E que possamos instigar instituições e pessoas em geral a se engajarem na defesa da vida, da liberdade de expressão e da proteção de artistas e pensadores para que continuem seus projetos."

A produção é da Vereda Promoções Culturais, dirigida por Clarisse Fukelman, responsável por ciclos similares (com homenagens a Sartre, Hannah Arendt, Antonio Callado, João Cabral de Mello Neto, etc.).

Apoios: Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, Consulado Geral da França no Rio de Janeiro e Goethe-Institut.

Participantes:   Atiq Rahimi: escritor e cineasta afegão radicado na França. Prêmio Goncourt 2008. PrêmioOlhar para o futuro no Festival de Cannes. Livros: Balada do Cálamo, Terra e cinzas, As mil casas do sonho e do terror, Syngué sabour: Pedra de paciência e Maldito seja Dostoiévski.

Carola Saavedra: romancista e contista. Livros: Com armas sonolentas (2018), O inventário das coisas ausentes, Flores azuis (melhor romance pela APCA e finalista do prêmio Jabuti),Paisagem com dromedário (prêmio Rachel de Queiroz).

Carolina Moulin (PUC-Rio): Dr.a em Relações Internacionais (McMaster University, Canadá).Coordenadora da Pós-Graduação em Relações Internacionais do IRI/PUC Rio. Editora-Chefe do periódico Contexto Internacional.

Claudio Oliveira da Silva (UFF): Dr. em Filosofia. Membro do GT Filosofia e Psicanálise da ANPOF e um dos líderes do Grupo de Pesquisa "Psicanálise, Discurso e Laço Social".

Felix Kaputu: escritor congolês acolhido pela UFMG (2017), via ICORN/CABRA. Dr. em Literatura Inglesa (Univ.de Lubumbashi - RDC). Especializado em estudos africanos, filosofia e religião comparada. Livros: K-triângulo da morte, Jo-Mary: escravo preto livre e outros.

Julián Fuks: escritor, tradutor e crítico literário. Livros: A Resistência (Prêmio José Saramago e Jabuti), Procura do romance e Histórias de literatura e cegueira (ambos finalistas dos prêmios Portugal Telecom e Jabuti).

Marcelo Backes: tradutor e escritor. Dr. em Romanística e Germanística (Univ. de Freiburg ) Livro: Mais que memória, Estilhaços  e A casa cai  Prêmios como tradutor: Biblioteca Nacional e Prêmio Nacional da Áustria.

Marcos Gleizer (UERJ): Dr. em Filosofia (Univ. Paris 4),  pós-doutorado na Univ. de Princeton (EUA). Membro do corpo editorial da Revista Analytica. Livros: Verdade e certeza em Espinosae Espinosa e a afetividade humana.

Michel Gherman (UFRJ): Dr. em História Social.  Cocoordenador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Judaicos e Árabes. Pesquisador do Núcleo de Estudos da Política (UFRRJ). Coautor de Identidades ambivalentes: desafios aos estudos judaicos no Brasil.

Pedro Duarte de Almeida (PUC-Rio): Dr.  em Filosofia. Foi professor visitante nas universidades Brown (EUA) e Södertörns (Suécia). Livros: Estio do tempo: Romantismo e estética moderna e A palavra modernista: vanguarda e manifesto.

Terézia Mora: escritora húngara radicada na Alemanha, com a queda do muro, roteirista e tradutora. Membro da Academia das Artes de Berlim. Inúmeros prêmios, como o prestigiado Deutscher Buchpreis.  Todo dia é seu primeiro romance traduzido no Brasil.

Vera Lúcia Follain de Figueiredo (PUC-Rio): Dr.a em Letras, profa. no Dep. de Comunicação Social. Livros: Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema e Da profecia ao labirinto: imagens da história na ficção latino-americana contemporânea.

Curadoria: Clarisse Fukelman (PUC-Rio/ Veredas):  Dr.a  em Literatura Brasileira. Profa. no Dep. de Comunicação Social. Membro fundador da Assell-Rio e idealizadora da pós-graduação Leitura: teoria e prática (PUC-Rio). Curadora de exposições e seminários. Livros (org.): Eu assino embaixo: biografia, memória e cultura; Poesia em pauta.

Serviço:

"A PALAVRA FORA DO LUGAR: ESCRITORES REFUGIADOS E EM RISCO"

LOCAL: Centro Cultural Banco do Brasil - auditório 4º andar

ENDEREÇO: Rua Primeiro de Março, 66 - Centro,  RJ  - Tel.: (21) 3808-2020

DIAS E HORÁRIOS: 13/06, às 19h; 4/07, às 18h30; 15/08, às 18h30; 29/08, às 18h30;  12/09, às 19h, sempre às quartas-feiras

DURAÇÃO APROXIMADA: 80 minutos | CAPACIDADE: 63 pessoas 

ENTRADA FRANCA: distribuição de senhas uma hora antes de cada debate

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade