PUBLICIDADE

Vacina cubana tem 62% de eficácia contra covid-19

Resultados divulgados pela estatal BioCubaFarma correspondem à aplicação de duas das três doses previstas

21 jun 2021 10h40
| atualizado às 11h05
ver comentários
Publicidade

O imunizante contra covid-19 Soberana 2, produzido em Cuba, alcançou eficácia de 62% nos primeiros testes da fase final de pesquisa, anunciou o empresa estatal BioCubaFarma. O resultado, obtido com a aplicação de duas das três doses previstas, é superior aos 50% exigidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Seringa e frascos rotulados como de vacina para Covid-19 em foto de ilustração
10/04/2020 REUTERS/Dado Ruvic
Seringa e frascos rotulados como de vacina para Covid-19 em foto de ilustração 10/04/2020 REUTERS/Dado Ruvic
Foto: Reuters

"Em algumas semanas devemos ter os resultados de eficácia com três doses que esperamos ser superiores", disse Vicente Vérez, diretor do Instituto Finlay de Vacina, que desenvolveu o imunizante.

Na terceira fase do ensaio clínico, foram avaliados dois esquemas de vacinação. O primeiro com apenas duas doses de Soberana 2 e o segundo com uma terceira dose de reforço de Soberana Plus. Em ambos os casos, o intervalo entre as aplicações foi de 28 dias.

Os resultados divulgados neste sábado, 19, correspondem ao estudo com somente duas doses. A análise contou com a participação de mais de 44 mil voluntários com idades entre 19 e 80 anos.

De acordo com Vérez, a eficácia não é baseada na cepa original do novo coronavírus, e sim em uma combinação de variantes que circulam por Havana atualmente. Segundo o pesquisador, os resultados foram obtidos a partir da análise total de casos sintomáticos. Foram 23 casos entre os participantes com apenas duas doses e 26 entre os que seguem para a dose extra de Soberana Plus, além de 62 casos no grupo placebo.

A análise foi realizada por uma Comissão Independente, formada por especialistas do Instituto Pedro Kourí de Medicina Tropical, do Centro local de Imunologia Molecular e do Ministério da Saúde Pública de Cuba.

O ensaio clínico ainda não foi concluído. O acompanhamento aos participantes continua e mais algumas variáveis serão medidas, como o efeito da vacina na prevenção das formas mais graves da doença e da morte.Outras quatro vacinas estão em desenvolvimento no país. Além da Soberana 2, apenas o imunizante Abdala, criado no Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB), também está na fase final dos estudos.

Nova fase de teste em crianças

No início de junho, Cuba anunciou testes clínicos dos dois imunizantes contra o coronavírus em estágio avançado, Soberana 2 e Abdala, em menores de idade entre 3 e 18 anos. Os ensaios serão realizados em duas etapas. Primeiro, adolescentes de 12 a 18 anos e, depois, crianças de 3 a 11 anos.

A decisão foi tomada por autoridades locais após o recente aumento de casos nesta população. Segundo o Centro para o Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (CECMED), até 27 de maio foram registrados 18.249 casos confirmados, sendo 983 em bebês com menos de um ano.

Imunização total até agosto

Em março, o país anunciou a intenção de vacinar completamente a população até agosto deste ano. "O mais tardar, no mês de agosto, teremos fabricado as doses necessárias para imunizar toda a nossa população (11,2 milhões de habitantes), e depois continuaremos produzindo-as, para fornecê-las aos outros países amigos", disse o presidente do grupo estatal BioCubaFarma, Eduardo Martínez, citado pelo jornal oficial Granma.

Alguns países já manifestaram interesse em comprar as vacinas cubanas contra covid-19, entre eles Argentina, Jamaica, México e Venezuela. Como parte final dos testes clínicos, o Irã começou a produzir a Soberana 2 no início deste ano.

Cuba registra cerca de 167 mil casos do novo coronavírus e 1.159 mortes até o momento, de acordo com dados da Universidade de Johns Hopkins, dos Estados Unidos. // COM REUTERS E AFP.

Estadão
Publicidade
Publicidade