PUBLICIDADE

Unidade de Oxford no Rio vai priorizar pesquisa em saúde e formação de profissionais

Será a primeira unidade do tipo fora do Reino Unido; instituição deve ter cursos de mestrado e doutorado

6 dez 2021 22h51
ver comentários
Publicidade

RIO - A testagem da vacina e a transferência da tecnologia de produção da vacina Oxford/AstraZeneca à Fiocruz foram os primeiros passos para uma parceria oficializada agora. A tradicional universidade britânica terá uma unidade voltada para educação e pesquisa. Será a primeira fora do Reino Unido.

A unidade de Oxford no Brasil deve priorizar a pesquisa em saúde global. Também focará a formação de novos profissionais na área de doenças infecciosas, pesquisas clínicas e desenvolvimento de imunizantes. A unidade deve oferecer cursos de mestrado, doutorado e de atualização para profissionais dessas áreas. Trabalhará ainda no desenvolvimento de novos medicamentos e vacinas.

"O escopo da nossa parceria vai além da vacina (contra a covid-19)", afirmou o professor Andrew Pollard. "Vamos trabalhar também em outras áreas, como a cardiologia, além de proporcionar oportunidade aos muitos jovens talentosíssimos do Brasil", disse ele, em evento que teve participação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

O trabalho no Brasil será feito em parceria com instituições brasileiras. Estão nessa lista o Instituto Nacional de Cardiologia, o Instituto Nacional do Câncer e o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia.

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello também participou do evento. Em seu discurso, Queiroga agradeceu ao antecessor por seu apoio na transição de cargo.

Estadão
Publicidade
Publicidade