PUBLICIDADE

Top Picks: GPA e Carrefour têm potencial de crescimento no pós-crise, dizem analistas

Varejo de alimentos é considerado um setor que passou praticamente ileso pela crise financeira causada pela pandemia do coronavírus

11 set 2020 21h10
ver comentários
Publicidade

Considerado um setor que passou praticamente ileso pela crise, o varejo de alimentos ainda têm bom potencial de crescimento na retomada após a pandemia de covid-19, segundo analistas. Para os profissionais de mercado, o GPA (dono das redes Pão de Açúcar, Extra e Assaí) e o Carrefour têm espaço para ganhar participação de mercado.

"No Brasil, o setor varejista ainda é pulverizado se comparado aos pares internacionais", afirma Pedro Serra, gerente de Research da Ativa Investimentos. "Existe elevado potencial de formalização e ganhos de marketshare para as companhias mais bem posicionadas." Para ele, e-commerce alimentar será um ponto-chave nesse processo de consolidação.

Ainda segundo Serra, o aumento da inflação dos alimentos pode ser benéfica para GPA e Carrefour. Gigantes da área, as duas redes têm forte poder de barganha com os fornecedores.

Em relação à separação da rede Assaí, anunciada esta semana pelo GPA, o movimento que a tornou uma operação independente tende a "destravar" o valor da operação do braço de atacarejo do grupo. "Pode enaltecer a força operacional da atacadista - que segue crescendo dois dígitos por ano -, bem como possibilitar uma gestão focada no atacado, vista por nós como mais aderente à realidade de consumo brasileira", afirma Serra.

Para Enrico Cozzolino, analista do Daycoval Investimentos, as duas empresas têm um alto nível de eficiência operacional, o que pode ajudar a diminuir algumas preocupações que envolvem o setor de varejo alimentar. "Maior desemprego, diminuição de auxílio emergencial e até mesmo aumento de preços podem ter impactos significativos e isso pode postergar a valorização dos preços em Bolsa", diz.

Cozzolino discorda da maioria dos analistas sobre a separação da rede Assaí dentro do GPA. "Não podemos desconsiderar que a operação de atacarejo é a mais rentável do grupo, e o Pão de Açúcar abrirá mão de uma geração de fluxo de caixa de sucesso", afirma.

Para Alvaro Bandeira, sócio e economista-chefe do banco digital Modalmais, o Assaí estava mal avaliado dentro do grupo, e a separação será positiva para as duas partes. "O Assaí já tem grande autonomia no grupo e abre chances de capitalização e expansão", diz.

Em relação às carteiras recomendadas para a próxima semana, foram poucas as alterações feitas pelas corretoras. A Ativa fez duas trocas, retirando Eztec ON e SLC ON para as entradas de Duratex ON e Natura &Co. ON.

A Guide Investimentos também fez duas mudanças para a próxima semana, com as saídas de Magazine Luiza ON e Marfrig ON e as inclusões de Cogna ON e TIM ON. Sobre a empresa de educação, a Guide diz que a realização de aulas presenciais no formato à distância pode impulsionar o segmento de EAD nos próximos trimestres, o que pode beneficiar a Cogna, que tem uma das maiores plataformas do País.

A Mirae Asset fez somente uma troca na sua carteira em relação à semana passada, de Bradesco ON por Indústrias Romi ON. A MyCap também realizou somente uma alteração para a próxima semana, com a saída de Petrobras PN e a entrada de Marfrig ON.

Estadão
Publicidade
Publicidade