PUBLICIDADE

Tenor Andrea Bocelli critica governo italiano por condução da crise do coronavírus

27 jul 2020 18h48
| atualizado em 28/7/2020 às 06h30
ver comentários
Publicidade

O tenor italiano Andrea Bocelli fez nesta segunda-feira duras críticas à forma como o governo italiano lidou com a crise do coronavírus, dizendo que se sente humilhado por conta do lockdown recente no país, e pediu que as pessoas desobedeçam as regras em vigência. 

Tenor italiano Andrea Bocelli canta em frente à Catedral de Milão
12/04/2020
REUTERS/Alex Fraser
Tenor italiano Andrea Bocelli canta em frente à Catedral de Milão 12/04/2020 REUTERS/Alex Fraser
Foto: Reuters

Os comentários surpreendentes, feitos durante audiência no Senado italiano, foram especialemte marcantes pois o astro cego foi um símbolo de união nacional no ápice do lockdown, quando cantou na Catedral de Milão vazia no domingo de Páscoa, em uma performance solo transmitida ao vivo e chamada de "Music for Hope". 

"Eu me senti humilhado e ofendido. Eu não podia deixar minha casa mesmo não cometendo nenhum crime", disse Bocelli, de 61 anos, em uma conferência na qual estavam presentes políticos de oposição como Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita Liga, que tem atacado o governo do primeiro-ministro Giuseppe Conte por sua condução da crise do coronavírus. 

O lockdown nacional começou na Itália no início de março e foi aliviado em fases nos três meses seguintes. Bocelli confessou que desobedeceu regras de lockdown "pois eu não achava certo ou saudável permanecer em casa com a minha idade". 

O cantor também disse que acredita que a situação não pode ser tão séria quanto as autoridades dizem, pois ele não conhece ninguém que tenha necessitado de tratamento intensivo. "Então por que todo essa sensação de gravidade?"

Mais de 35 mil italianos morreram por conta do coronavírus.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade