0

Taj Mahal recebe 1ºs visitantes em meio a aumento de casos

Após seis meses fechado, autoridades reabriram o famoso monumento em meio a aumento do número de casos de covid-19

21 set 2020
11h08
atualizado às 12h16
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Índia reabriu o Taj Mahal após seis meses nesta segunda-feira, com os primeiros visitantes entrando no famoso monumento enquanto as autoridades relatavam 86.961 novas infecções por coronavírus em todo o país, sem sinais de pico ainda.

Bilhete de alerta em frente ao Taj Mahal, em Agra, na Índia
21/09/2020 REUTERS/Alasdair Pal
Bilhete de alerta em frente ao Taj Mahal, em Agra, na Índia 21/09/2020 REUTERS/Alasdair Pal
Foto: Reuters

O mausoléu de mármore branco na cidade de Agra, construído por um imperador do século 17 para sua esposa, foi aberto ao público ao nascer do sol, e um cidadão chinês e um visitante de Délhi foram os primeiros a entrar.

O número de visitantes diários foi limitado a 5.000, contra uma média de 20.000 antes da pandemia. Os ingressos estão sendo vendidos apenas online, com menos de 300 comprados no primeiro dia.

Os visitantes terão suas temperaturas medidas e devem seguir orientações para manter uma distância segura uns dos outros.

Aditya Diksha, um dos primeiros visitantes do Taj Mahal, disse que ele e seus amigos dirigiram 12 horas do centro da Índia e pararam em Agra a caminho das montanhas ao norte.

"É a primeira vez em seis meses que saímos, por isso é bom", declarou ele.

O número de casos de coronavírus na Índia, 5,49 milhões, só fica atrás dos Estados Unidos, com 6,79 milhões, um número que o país do sul da Ásia poderia ultrapassar nas próximas semanas em sua taxa atual de aumento.

O número total de mortos é 87.882 após aumento de 1.130 em relação ao dia anterior, segundo dados do Ministério da Saúde.

Veja também:

Os navios gigantescos que a pandemia mandou para o desmanche
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade