PUBLICIDADE

'Disrupção tem aumentado aquisição de empresas digitais', diz presidente da OBB Capital

Para executivo, grande liquidez no mercado mundial aliada às baixas taxas de juros tem provocado uma escalada no número de fusões e aquisições

17 mai 2021 05h10
| atualizado às 07h25
ver comentários
Publicidade

A grande liquidez no mercado mundial aliada às baixas taxas de juros tem provocado uma escalada no número de fusões e aquisições, diz o presidente da OBB Capital, Flavio Pestana. Ele conta que a forte disrupção acelerada pela pandemia do novo coronavírus tem obrigado as companhias a buscarem solução para seus problemas por meio da compra de empresas digitais. "Além disso, as dificuldades pelas quais alguns setores estão passando irão desaguar em uma em busca por sócios ou mesmo a venda total das empresas", diz ele, que criou ao lado de outros sócios a OBB Capital, no segundo semestre de 2020.

Apesar das incertezas em relação à pandemia, o primeiro quadrimestre se mostrou bem forte em fusões e aquisições. A que se deve esse movimento?

Este fenômeno se deve a uma grande liquidez no mercado mundial. Juros baixos e muito dinheiro à disposição das empresas, seja por causa de IPOs e follow-ons ou via dívida. Junte-se a isso a grande disrupção em vários setores, forçando as empresas a se apressarem na busca de empresas digitais que possam ajudá-las a construir seus ecossistemas. A rápida adoção de reuniões remotas também tornou mais ágil os roadshow (encontro para apresentação de projetos e transações) e negociações.

O capital estrangeiro está avaliando aquisições no País? Ou as operações têm sido lideradas por investidores locais?

A maior parte dos investimentos tem sido feito por empresas nacionais. O investidor internacional ainda está um pouco com o pé atrás com Brasil. Certos setores como tecnologia, commodities e a cadeia de alimentos têm atraído interesse de estrangeiros. Estamos trabalhando em duas transações com escopo que inclui apresentações para investidores externos. Os fundos de private equity também estão bem ativos e, neste caso, têm dinheiro de dentro e de fora.

Quais setores estão mais fortes nesse processo de aquisições?

O maior número de negócios está na aquisição de empresas digitais em todas as áreas. Outros setores muito ativos são saúde, educação e logística. O setor de moda também tem estado bem movimentado.

Teremos mais aquisições de empresas em dificuldade financeira?

As dificuldades pelas quais alguns setores estão passando irão desaguar em uma em busca por sócios ou mesmo a venda total das empresas. Há grande atividade nos setores de reestruturação, recuperação judicial e nos fundos focados em ativos estressados (distressed funds).

Estadão
Publicidade
Publicidade