3 eventos ao vivo

Almanaque de Ruth Rocha ajuda crianças a ter mais noção do tempo

Dias na quarentena parecem passar sob lógica diferente, e a autora infantil tenta resgatar a passagem do tempo para as crianças

1 out 2020
05h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Com o isolamento social provocado pela pandemia, os dias se tornaram semelhantes e os meses ganharam o aspecto de um bloco, sem grandes distinções. Tal situação torna ainda mais bem-vindo o lançamento, nesta quinta, 1.º, de Almanaque do Marcelo e da Turma da Nossa Rua (Salamandra), da escritora Ruth Rocha e de sua filha, Mariana Rocha, destinado ao público jovem. Trata-se de um exemplo típico desse gênero literário, ou seja, com os meses do ano determinando o início de cada capítulo, são apresentadas curiosidades históricas e geográficas além de particularidades de cada mês.

"É uma forma de mostrar como cada dia é precioso e carrega uma história só sua", comenta Ruth que, aos 89 anos, mantém-se firme na ativa como uma das mais importantes escritoras para crianças do Brasil. "O curioso é que Mariana e eu começamos o trabalho no ano passado, quando ainda não se pensava em pandemia. Na época, acreditávamos apenas que era uma boa ideia e, com o lançamento acontecendo agora, o livro ganhou uma outra importância."

A obra é fiel ao espírito de um almanaque, reunindo curiosidades educativas que também são divertidas. São informações como a que mostra que o Brasil não tem a maior floresta do mundo, mas, sim, a maior praia, ou que um em cada dez habitantes da Ásia Central é descendente do imperador mongol Gengis Khan. Há ainda conselhos preciosos como as dicas para reciclar papel em casa. "Um almanaque é feito para a gente ler aos pouquinhos e se divertir muito", diz a editora do livro, Lenice Bueno, na contracapa do livro.

Ruth conta que o trabalho de pesquisa não foi tão árduo, pois coleciona essas informações há muitos anos. "Quando comecei na revista Recreio, em 1969, eu já guardava esses dados, tarefa iniciada quando trabalhei antes no Colégio Rio Branco, em São Paulo, como orientadora vocacional." O que despertou seu interesse foi um trabalho científico, divulgado na época, que mostrava como esse tipo de informação auxilia a evolução neurológica da criança, preparando-a para a maturidade.

Com mais de 50 anos de carreira e 200 títulos publicados, Ruth Rocha ganhou notoriedade ao valorizar a criança como um ser inteligente e dotado de espírito crítico. O mundo criado por ela está distante do universo das fábulas e sua rígida divisão entre bons e maus - são borboletas coloridas, reizinhos mandões e meninos que criam palavras esquisitas. Tipos que, por meio de uma linguagem lúdica e direta, passam noções de igualdade racial, democracia e liberdade de expressão.

Para o almanaque, ela escolheu o personagem de Marcelo, Marmelo, Martelo, o menino que, de uma hora para outra, decide reinventar os nomes das coisas - algo como trocar "leite" por "suco de vaca" e "cadeira" por "sentador". "É o livro do qual os leitores gostam mais, é o mais lido. Por isso, juntei todos os personagens da turma da nossa rua e fiz com eles muitas brincadeiras, piadas, histórias e versos", explica Ruth, que trabalha pela primeira vez com a filha, Mariana, sua eterna primeira leitora e também curadora de sua obra. "Temos um bom diálogo e eu 'traduzo' os textos dela para o 'criancês'."

Próxima dos 90 anos (completa em março), a escritora não pensa em aposentadoria - já trabalha, aliás, no próximo livro, que terá macacos como personagens principais. "Há quem não goste desses bichos e até negue nossa descendência dessa espécie", diverte-se. "Mas são animais muito espertos e que nos ajudam a entender a alma humana."

Ruth trabalha no seu ritmo, em seu apartamento em São Paulo. Com a pandemia, não saiu mais de casa. "Apenas quando tenho alguma consulta", conta ela. Mesmo assim, o tempo é devidamente ocupado. "Como já não enxergo muito bem, o que dificulta a leitura, uma das minhas irmãs (tenho duas, Rilda e Eliana) me telefona todos os dias para ler, durante uma hora, trechos de obras clássicas - já lemos até Guerra e Paz", diverte-se ela, sobre a monumental obra de Tolstoi e suas 1.225 páginas.

Também acompanha com atenção o noticiário político. "O governo vem provocando muito estrago", observa, dizendo que pretende votar na eleição municipal, em novembro. "Por ora, só sei em quem não votar", diz, afirmando que não se interessa em escrever alguma obra política hoje. "A situação está muito penosa e a criança precisa de esperança."

Veja também:

Segunda onda de covid-19 na Europa
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade