PUBLICIDADE

Ações da China recuam com preocupações sobre variante ômicron do coronavírus

29 nov 2021 07h36
ver comentários
Publicidade

O mercado acionário da China fechou em queda nesta segunda-feira, em meio às preocupações com a recém-descoberta variante do coronavírus que pode ser resistente a vacinas, enquanto analistas preveem impacto limitado sobre as ações chinesas.

Telão em Xangai mostra flutuações dos mercados acionários
06/01/2021
REUTERS/Aly Song
Telão em Xangai mostra flutuações dos mercados acionários 06/01/2021 REUTERS/Aly Song
Foto: Reuters

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, teve queda de 0,18%, enquanto o índice de Xangai perdeu 0,04%.

A variante ômicron do coronavírus se espalhou pelo mundo mesmo com mais países adotando restrições de viagens para tentarem se proteger.

A Guosheng Securities disse que a nova variante se tornou uma incerteza para os mercados e que os investidores devem permanecer cautelosos no curto prazo.

Para a Zheshang Securities, a nova variante terá impacto limitado sobre as ações A devido à severas medidas de contenção do coronavírus adotadas pela China.

As ações de turismo recuaram 3,4% devido ao ressurgimento das infecções por Covid-19 na China e à nova variante.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 1,63%, a 28.283 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,95%, a 23.852 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,04%, a 3.562 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,18%, a 4.851 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,92%, a 2.909 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,24%, a 17.328 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 1,44%, a 3.120 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,54%, a 7.239 pontos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade