PUBLICIDADE

Confira 10 boas notícias para ler em tempos de coronavírus

Entre as histórias inspiradoras, idosos que venceram o coronavírus e uma criança que sabe bem o que é solidariedade

16 mai 2020 05h13
| atualizado às 09h21
ver comentários
Publicidade
Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

No Rio Grande do Sul, uma criança doou o dinheiro de seu cofrinho para um hospital. Em São Paulo, uma campanha incentiva o envio de cartas a idosos em abrigos. Ainda existe amor no Brasil (e no mundo).

1. Data lembrada. A equipe de enfermeiros de um hospital italiano recebeu uma homenagem por conta do dia internacional da profissão, comemorado em 12 de maio, como informou a agência AFP. Pelos corredores do Tor Vergata, em Roma, foi possível ouvir uma apresentação da musicista Fiamma Flavia Paolucci, tocando violino.

2. Festa em dobro. Após 40 dias de internação com diagnóstico de covid-19, Gilson Marchiori, de 81 anos, teve alta do Hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte (MG), sob aplausos emocionados de familiares e da equipe médica, como registrou o site do jornal mineiro Hoje em Dia. Durante a internação, o homem já tinha ganhado uma "festa de aniversário". Um vídeo postado nas redes sociais mostra funcionários do hospital - com um tablet cuja tela exibia, ao vivo, sua família - cantando Parabéns a Você ao senhor Gilson. No fundo, luvas cirúrgicas infladas faziam as vezes de bexigas.

3. Desde cedo. Um menino de 10 anos de idade que vive na pequena Arroio do Meio, no Rio Grande do Sul, decidiu abrir seu cofrinho e entregar todas as suas economias para um hospital da cidade. Em entrevista à RBS TV, Mathias Krein justificou sua atitude de forma direta e singela: "Eu ganhei (o dinheiro) dos meus 'dindos'; aí eu vi que o hospital estava precisando; e, se eu tiver com coronavírus, eu vou pra lá, né?". Os R$ 337 doados pela criança serão usados para a compra de equipamentos de proteção.

4. Energia garantida. O Hospital das Clínicas da USP recebeu uma doação de 930 baterias destinadas a garantir o funcionamento dos respiradores pulmonares - tão necessários aos casos mais graves de covid-19 - durante uma eventual queda de energia. O Grupo Moura também doou à USP 10 mil escudos faciais, usado por profissionais da saúde, que foram produzidos em sua fábrica de Pernambuco.

5. Alívio. A cidade de Nicósia, na parte norte da Ilha de Chipre, presenciou uma cena emocionante nesta semana: aquele que é considerado o último caso de paciente com covid-19 no pequeno território cercado pelo Mar Mediterrâneo deixou, enfim, o hospital. Com a presença de autoridades, Zekai Gece, de 83 anos, teve alta sob aplausos calorosos da equipe do local, como informou a agência AFP.

6. Bom exemplo. Entre as boas iniciativas de prevenção e combate ao coronavírus em Paraisópolis, zona sul de São Paulo, duas escolas da rede estadual foram transformadas em centros de acolhimento para moradores diagnosticados com a doença. A intenção é facilitar o cumprimento do isolamento social, considerando que, muitas vezes, isso não é possível em casas da comunidade. A gestão é feita pela União dos Moradores de Paraisópolis, com apoio financeiro de empresários e da sociedade civil.

7. Experiências. A vida do fotógrafo norte-americano Tony Vaccaro é um bom exemplo de superação e resistência. Sua mãe morreu no parto; com 5 anos, já tinha perdido o pai para a tuberculose; foi quando se mudou para a Itália, onde sofreu maus-tratos de um tio. Como soldado durante a Segunda Guerra Mundial, sobreviveu à Batalha da Normandia. E, hoje, aos 97 anos, ele superou mais uma dificuldade: venceu o novo coronavírus, após ficar internado em um hospital por apenas dois dias. Segundo a agência AP, Tony atribui sua longevidade a "pura sorte" e... "vinho tinto".

8. Valor científico. Equipes ligadas à Escola Politécnica e à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo acabam de iniciar a fase de testes de um robô que foi adaptado para dar suporte ao Hospital Universitário durante a pandemia. A máquina - como informou o Jornal da USP - pesa 20 quilos, anda a uma velocidade de cerca de 5 km/h e será usada para transportar remédios, exames e documentos entre as alas do centro médico. Com isso, pretende-se minimizar os riscos de contatos desnecessários entre os funcionários, assim como liberá-los para tarefas mais importantes e relacionadas ao bem-estar dos pacientes.

9. Força conjunta. Três empresas se uniram para produzir 50 mil máscaras cirúrgicas que serão distribuídas a vários hospitais em meio à pandemia. A resina de polipropileno da Braskem será encaminhada à Fitesa, especializada em mantas de não tecido. Depois, a matéria-prima será enviada ao centro de manutenção da Latam, em São Carlos (SP), onde serão fabricadas as máscaras. De lá, elas vão abastecer locais como o Hospital Municipal M'Boi Mirim e o Hospital do GRAAC.

10. Meio de afeto. Bastam poucos minutos e algumas palavras para tornar o dia de alguém melhor. Isso é o que está por trás da campanha Um Gesto de Carinho para Ninguém Ficar Sozinho, uma parceria entre a Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado e o Ministério Público de São Paulo. A ideia é mandar cartinhas (por e-mail) a idosos que vivem em mais de 500 abrigos paulistas, com mensagens de conforto e acolhimento àqueles que tendem a se sentir ainda mais solitários durante a quarentena. Para enviar as mensagens, basta consultar a lista de instituições participantes, com seus respectivos contatos, neste site.

Estadão
Publicidade
Publicidade