PUBLICIDADE

Tabata Amaral diz que 'votou errado' em PL que autoriza penhora de imóveis

Deputada explica que cometeu erro técnico ao manejar o aplicativo da Câmara

3 jun 2022 - 13h58
(atualizado às 15h46)
Ver comentários
Tabata Amaral diz que 'votou errado' em PL que autoriza penhora de imóveis
Tabata Amaral diz que 'votou errado' em PL que autoriza penhora de imóveis
Foto: Roberto Gardinalli

A deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) publicou nesta quinta-feira, 2, um vídeo explicando que seu voto a um dos destaques do PL 4188 foi, na verdade, um erro técnico. Um trecho do projeto autoriza que instituições financeiras promovam a penhora de imóveis de famílias inadimplentes. Segundo a parlamentar, sua intenção era votar pela supressão dessa parte do texto, mas que se confundiu ao manejar o aplicativo da Câmara.   

Durante a manhã de quinta-feira, o nome da deputada chegou a figurar entre os assuntos mais comentados do Twitter. Ela foi alvo de críticas nas redes sociais pelo voto dado ao destaque da proposta. No vídeo que publicou em seguida, a parlamentar afirmou que os comentários partiram de pessoas "má intencionadas". 

    "Obviamente eu fui contra esse projeto. Nas muitas votações que aconteceram ontem à noite (quarta-feira) isso fica claro. Eu fui contra o projeto principal, votei diversas vezes para que a gente pudesse obstruir essa votação, mas infelizmente cometi um erro técnico na votação de um destaque específico", afirmou a deputada. 

    "É importante dizer: eu sou humana e, assim como vocês, vou cometer erros técnicos. O que não existe e nunca existiu é um erro contra os meus valores. Peço a vocês que me ajudem a combater as fake news que estão sendo espalhadas por má-fé, por razões políticas, por pessoas que, de forma mal-intencionada, estão dizendo que eu fui a favor desse projeto", completou.

    Tabata disse ainda que enviou um ofício à Câmara retificando seu voto. "Declaro, por meio deste, que (...) por erro no momento da votação pelo aplicativo Infoleg, votei NÃO pela supressão do texto destacado", diz o documento, que foi endereçado ao presidente da Casa, deputado Arthur Lira (PP-AL).

    Estadão
    Publicidade
    Publicidade