PUBLICIDADE

Extremos climáticos e o impacto na distribuição de energia

Climatempo fez uma parceria com a Enel Brasil com o objetivo de avaliar as condições meteorológicas que impactam as áreas de concessão da empresa.

20 mai 2022 15h00
ver comentários
Publicidade

No Café com Ciência do mês de Abril, trouxemos alguns exemplos de como um olhar para o passado pode nos auxiliar no planejamento e na tomada de decisão com relação a energia eólica e solar. Neste mês, gostaríamos de abordar este tema do ponto de vista do setor de distribuição e transmissão de energia elétrica. Para isso, a Climatempo fez uma parceria com a Enel Brasil com o objetivo de avaliar as condições meteorológicas que impactam as áreas de concessão da empresa.

De maneira geral, pode-se dizer que o setor de distribuição de energia é mais afetado pela chuva, vento e descargas atmosféricas, enquanto que o de transmissão é mais afetado por descargas atmosféricas, vento forte e pelo material particulado que sai das queimadas. Juntamente com a Enel Brasil, a Climatempo analisou o histórico de raios, de queimadas, de chuva, rajadas de vento e também as interrupções de energia que são causadas por fenômenos ambientais sobre as áreas de concessão da empresa com o objetivo de entender quais eram as principais regiões de ocorrência destes fenômenos e qual sua intensidade.

Na figura 1, podemos perceber o número de dias em que houveram chuvas e rajadas de vento acima do percentil 90 na última década no Ceará, ou seja, considerando apenas os eventos mais intensos que atingiram a área de concessão da empresa. Podemos perceber uma clara região no noroeste do estado onde a chuva acontece com mais frequência, ultrapassando 100 dias de eventos intensos na última década. Da mesma forma, podemos perceber regiões onde há menos dias com chuva intensa e rajadas de vento significativas.

Foto: Climatempo

Figura 1 - Número de dias com chuva e rajada de vento acima do percentil 90 entre 2011 e 2020.

Já para o caso de Goiás, avaliamos também a incidência de raios e queimadas no estado. A figura 2 mostra a ocorrência total de raios que atingiram o solo e a ocorrência de queimadas. Da mesma maneira que a chuva e rajadas de vento, podemos perceber duas principais regiões para a ocorrência de raios nuvem solo na área de concessão de Goiás, sendo no noroeste e no sul do estado. Enquanto que com relação a queimadas, percebe-se uma maior ocorrência no nordeste e parte do sudeste do estado.

Foto: Climatempo

Figura 2 - Densidade de raios nuvem solo e queimadas no estado de Goiás.

Além da caracterização espacial da ocorrência destes fenômenos, também foi avaliado a evolução temporal dessas variáveis, verificando se o clima está se alterando na região das áreas de concessão da Enel e quais são as regiões que estão sendo mais afetadas.

Este tipo de estudo é interessante em diversos aspectos. O primeiro deles é em termos de planejamento, onde a empresa conhece as regiões mais impactadas e pode estruturar ações para mitigação destes impactos. Da mesma maneira, estas informações servem como guia para a empresa direcionar seus investimentos, melhorando a infraestrutura da rede nas regiões de maior atenção, podendo inclusive procurar novas tecnologias que auxiliem na diminuição dos impactos. Com a melhora da rede, a empresa também se torna mais resiliente às perturbações atmosféricas e melhora os indicadores de continuidade, como por exemplo o DEC (Duração Equivalente de Interrupção por Consumidor) e o FEC (Frequência Equivalente de Interrupção por Consumidor). Para quaisquer dúvidas ou informações, entre em contato conosco.

Climatempo
Publicidade
Publicidade